1º dia da Assembleia Eclesial da América Latina e Caribe reflete sobre a centralidade de Jesus na vida pastoral

O tema central do 1º dia de reflexões da Assembleia Eclesial da América Latina e Caribe que acontece na Cidade do México foi a “Centralidade de Jesus Cristo e Sua Palavra em nossa ação pastoral”. O texto bíblico que norteou os trabalhos foi retirado do Evangelho de Lucas 8, 21 onde Jesus afirma que sua mãe e seus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a põe em prática.

O dia de trabalhos foi iniciado com a oração da manhã preparada pela comissão de espiritualidade e liturgia do evento. Logo em seguida o presidente do Conselho Episcopal da América Latina e Caribe (CELAM), Dom Miguel Cabrejos, OFM, deu as boas-vindas aos delegados das conferências episcopais. Estão participando da Assembleia cerca de 1000 pessoas, das quais, por volta de 100 encontram-se no México e as outras participam de forma virtual por conta dos cuidados relacionados a pandemia.

Os trabalhos da manhã também contaram com a mensagem do Prefeito para a Congregação dos Bispos e Presidente da Pontifícia Comissão para a América Latina, Cardeal Marc Ouellet, PSS, que destacou que “a Assebleia Eclesial da América Latina e Caribe é uma das variadas formas as quais a Igreja reaprende a escutar e discernir. […]Ao refletir sobre as palavras do Papa Francisco na abertura do caminho sinodal devemos entender que primeiramente, antes de qualquer coisa, é necessário escutar o Espírito em adoração e oração. Muitas vezes nossas próprias ideais preenchem nossa mente e nossa coração. Depois de rezar a adorar, podemos agora sim, escutar a nossos irmãos com abertura sincera de coração e escutando a Deus e aos nossos irmãos viveremos uma experiência de surpresa e ampliação dos horizontes.”

O Santo Padre, o Papa Francisco, também enviou uma mensagem que foi apresentada aos participantes da Assembleia motivando-os a serem dóceis a experiência de caminho que lhes é proposta: “A primeira palavra é ‘escutar’. O dinamismo das assembleias eclesiais está no processo de escuta, diálogo e discernimento. Em uma assembleia o intercâmbio facilita ‘escutar’ a voz de Deus e escutar com Ele o clamor do povo, e escutar o povo até respirar com ele, sentir-se um com ele.”

A reflexão central do dia foi conduzida pelo padre Fidel O^noro, CJM, que falou sobre a centralidade de Jesus Cristo e sua Palavra em nossa ação pastoral. No fim da manhã foi realizada a coletiva de imprensa com a presença de um padre, uma religiosa, uma leiga e do Cardeal Dom Odilo Scherer, Arcebispo de São Paulo e primeiro vice-presidente do CELAM. Dom Odilo destacou a novidade que se apresenta nesta modalidade de Assembleia, tendo em vista que é a primeira vez em que o CELAM não se reúne somente com o episcopado, mas com as várias realidades da Igreja e que este formato foi pensado antes mesmo da convocação do Sínodo sobre a sinodalidade mostrando a sintonia da Igreja da América Latina e Caribe com o Santo Padre.

O Cardeal destacou que o labor da Assembleia é ser um caminho de escuta que transita em várias direções, de muitas maneiras de ver e sentir a missão da Igreja no continente americano. Perguntado sobre a ligação da Assembleia com a Conferência de Aparecida, em 2007, o Arcebispo de São Paulo destacou que um dos objetivos que se tem em mente é de reanimar e recordar o documento que foi fruto da Conferência de 2007, porque o mesmo é um material muito importante para o caminho da Igreja latino-americana. “Este pedido – afirmou o cardeal – tem sido um desejo, também do Papa Francisco que conhece bem o documento de Aparecida e que sabe que o mesmo está centrado no encontro com Jesus Cristo e o anúncio de sua Boa Nova como discípulos e discipulas missionários.” Além disso, lembrou que, em um mundo imerso em extremismos, a Igreja não se pode deixar levar pelas ideologias, nem mesmo nessas reflexões, mas sim, amparar-se sempre e tão somente no Evangelho.

            Aproveitando o ensejo da celebração da Jornada Mundial da Juventude a nível diocesano celebrada no último domingo, o portal da Arquidiocese de Brasília que participara da coletiva de imprensa perguntou o que a Assembleia Eclesial espera dos jovens neste processo de escuta e discernimento na América Latina. Dom Odilo respondeu que “deve-se lembrar que há pouco mais de três anos celebrou-se um sínodo especial para a juventude do qual nasceu um documento belíssimo sobre o trabalho dos jovens na Igreja e na sociedade. Faz-se necessário, pois, que este documento não seja colocado em uma gaveta e se fique esperando um próximo, mas sim que os jovens da América Latina o coloquem em prática, pois eles mesmos foram protagonistas de algo inédito na Igreja que foi a consulta em uma reunião pré-sinodal, um movimento de escuta que, agora estamos fazendo na Assembleia Eclesial. Portanto, as ações e os frutos devem ser contínuos”, concluiu o bispo.

O dia de trabalho da Assembleia será concluído com os trabalhos por grupos, um painel conduzido pelo Cardeal Oscar Rodriguez, a Eucaristia e a Oração do Santo Rosário.

 

Foto: @asambleaeclesial