4º Retiro do Clero

Quarto grupo de padres e diáconos se reúne para o Retiro Anual do Clero em Brasília

 

Entre os dias 18 e 21 de outubro foi realizado o retiro anual para o clero para o quarto grupo de padres e diáconos da Arquidiocese de Brasília. O encontro aconteceu na Casa de Convivência Sagrada Família de Nazaré em Brazlândia e contou com a condução do Arcebispo de Brasília, Dom Paulo Cezar Costa.

Para se adaptar a realidade imposta pelos cuidados necessários contra a pandemia evitando assim grandes aglomerações, Dom Paulo Cezar decidiu que durante o ano de 2021 a arquidiocese realizaria várias edições do retiro anual do clero com menos participantes. A ideia foi de proporcionar o momento de recolhimento e oração para todos os padres e diáconos que servem em Brasília cuidando da saúde e bem-estar deles. Por isso, durante o ano, os clérigos se organizaram e se inscreveram para participar de alguma das edições distribuídas ao longo de 2021.

Neste ano Dom Paulo Cezar fez questão de pregar todos os retiros para ter a oportunidade de conhecer, de maneira mais próxima, seu presbitério. Esta dinâmica foi elogiada pelos padres e diáconos que tiveram a oportunidade de ter um convívio mais próximo com seu pastor.

Padre Roger, missionário da Comunidade Canção Nova, participou do retiro e agradeceu a oportunidade afirmando que: “Foi uma oportunidade muito boa de estar escutando Dom Paulo, de me recolher para a oração e para um descanso sadio para continuar empenhado na missão.” Da mesma forma, Padre Norbey Londoño, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Lago, no Lago Norte, afirmou que “nas diversas reflexões pudemos entender nossa caminhada de cristãos a exemplo de Cristo Sacerdote na realidade fundamental de nossa vida, como discípulos de Cristo Bom Pastor.

Foi este um dos temas que mais me tocou interiormente e pude mergulhar numa profunda meditação como escolhido por Deus para assumir o ministério, num estilo de vida como resposta ao chamado.” Além disso, o pároco afirmou, numa síntese para colocar em prática no ministério: “Que sejamos lâmpadas acessas porque a quem muito se deu, muito mais será exigido.” Por fim, o padre recolhendo o sentimento de todos os presbíteros que fizeram o retiro, agradece: “Gratidão à comissão organizadora e ao nosso Bispo que soube acolher, trazer exemplos práticos da vida e experiências.”

 

O que é o retiro do Clero

 

Segundo o Código de Direito Canônico, os clérigos de uma diocese ou instituo religioso devem fazer um retiro anual. Mas, mais do que uma obrigação, esta lei eclesiástica visa o bem espiritual tanto do padre, diácono ou religioso, como também, do povo a eles confiados. A máxima popular é válida neste contexto, também: “Só se pode oferecer aquilo que se tem”. Logo, para que os sacerdotes possam oferecer uma vida espiritual de qualidade aos fiéis, precisam também, receber e alimentar a sua caminhada de vida e de fé, por isso a Igreja se preocupa com esta instância da vida do padre. Confira abaixo o cânon retirado do Código de Direito Canônico que versa sobre os exercícios espirituais:

 

Cân. 276 — § 1. Os clérigos estão obrigados, por motivo peculiar, a tender à santidade na sua vida, uma vez que, consagrados a Deus por novo título na recepção da ordem, são os dispensadores dos mistérios de Deus para o serviço do Seu povo. § 2. Para poderem adquirir esta perfeição: 1.° antes de mais, desempenhem fiel e esforçadamente os deveres do ministério pastoral; 2.° alimentem a sua vida espiritual na dupla mesa da sagrada Escritura e da Eucaristia; pelo que, os sacerdotes são instantemente convidados a oferecer diariamente o Sacrifício eucarístico, e os diáconos a participar também quotidianamente nessa oblação; 3.° os sacerdotes e os diáconos que aspiram ao sacerdócio têm a obrigação de rezar diariamente a liturgia das horas segundo os livros litúrgicos próprios e aprovados; os diáconos permanentes rezam-na na parte determinada pela Conferência episcopal; 4.° igualmente têm a obrigação de participar nos exercícios espirituais, segundo as prescrições do direito particular; 5.° recomenda-se-lhes que façam regularmente oração mental, se aproximem frequentemente do sacramento da penitência, honrem com particular veneração a Virgem Mãe de Deus e empreguem outros meios de santificação comuns e particulares.