AMAR MARIA

Devemos amar a Deus sobre todas as coisas, pois a perfeição consiste em amá-Lo de todo o coração. Desse modo, se tivermos o amor enraizado em nossas almas, pensamentos e ações, nenhum outro sentimento, senão o amor, estará presente em nossas atitudes, gerando inúmeros frutos de amor, que, por sua essência, é sempre renovador, dinâmico e acolhedor.

São João evangelista nos ensina que “Deus é amor!” (1 Jo 4, 16). Quando adquirimos essa consciência, quando somos integrados nessa revelação, nós transformamos a nossa existência e passamos a sentir que o amor é a temperatura da alma, o motor das boas obras e o manancial das virtudes, o ponto central de todas as decisões. O amor pressupõe a fidelidade, a beleza e o compromisso e, por isso, na senda da vida, “onde há amor, põe amor e colherás amor!”. (São João da Cruz).

            Por ser pleno amor, Cristo, do alto da Cruz, nos entregou a Sua Mãe, a Virgem Santa Maria, a fim de que possamos perseverar na fé e na santidade, amando-a com o mesmo amor que nutrimos por Ele. Sim, é da vontade de Deus que aprendamos a amar a Maria, adentrando os caminhos da autêntica e sólida devoção mariana, pois todo aquele que espera e confia em Maria alcançará o Sagrado Coração de Jesus.

Amar a Virgem Maria, e corresponder ao seu amor materno, é um exercício diário de esperança que nos revela que o amor de Nossa Senhora por nós, seres humanos, é um oceano de graças que, quanto mais se escoa, mais aumenta, e quanto mais aumenta, mais se escoa. Em outras palavras: quando adentramos a escola de Maria, quando sentimos a presença do seu amor em nossos corações, imitamos o seu exemplo e passamos a enfrentar as dificuldades da vida, as tempestades e as pandemias com a certeza de que não afundaremos no medo, no pecado e no mal se mantivermos nosso coração atrelado ao Imaculado Coração de Maria, suplicando a sua ajuda e intercessão, para que cresça em nós um profundo e sólido amor a nosso Senhor Jesus Cristo.

Quando amamos a Maria, o nosso coração palpita de entusiasmo sempre que invocamos a nossa amada Mãe com as orações da Ave Maria, da Salve Rainha, do Lembrai-vos e do Ângelus. Quando amamos a Maria, nós adquirimos a consciência de que Ela quer nos educar como discípulos missionários de Cristo, a fim de que possamos reconhecê-Lo como nosso Deus adorado e amado e assim, livremente, aderir ao Seu plano de amor e de redenção.

Se amamos a Maria, nós podemos permanecer certos da nossa perseverança na alegria do Evangelho, pois o amor que nutrimos por Maria é o caminho decisivo da perseverança na santidade. Se amamos a Maria, aprendemos a colocar os nossos dons e talentos na composição de poemas, poesias, artigos, livros, músicas, toadas, desenhos, esculturas e obras de arte que evidenciam os sinais do nosso amor para com a Virgem Maria. Não obstante, bem mesquinho é o amor de alguns devotos marianos que se gabam de amar a Nossa Senhora e, no entanto, mal se lembram de rezar o Rosário, o terço e as tradicionais orações dirigidas a Maria, pois o amor, por sua própria natureza, é sempre expansivo e não determina prazos ou tempos para expressar o seu alcance.

Os verdadeiros devotos marianos não economizam palavras, ações ou orações para difundir o amor por Deus e pela Virgem Maria. Quer em público, quer em particular, procuram continuamente atear nos corações as ditosas chamas de que eles mesmos se sentem abrasados para com Deus e a Sua querida Mãe. Agindo assim, eles professam que Nossa Senhora é tão grande e sublime que, quanto mais a louvamos, mais nos restar a louvar.

Qual deve ser a medida do nosso amor para com a Virgem Maria? “A medida do amor é não ter medida”. (São Tomás de Aquino). E não poderia ser diferente, pois Cristo nos concedeu Maria, para que, com o seu patrocínio de Mãe poderosa e de Senhora protetora, Ela venha em nosso auxílio como sinal de fidelidade a Ele, alicerçando a nossa fé, e auxiliando-nos a demonstrar ao Altíssimo os sinais do nosso amor que deve ser crescente no decorrer de nossas vidas.

            Quem ama a Maria guarda em seu coração as graças, os benefícios, os privilégios e as atenções recebidas das suas bondosas mãos e, por isso, no desenvolvimento da obra missionária da Igreja, não poupa suas cordas vocais no feliz anúncio de que “o amor a Maria extingue o fogo das paixões e fornece à alma o frescor das virtudes. O amor a Maria ensina a desprezar o mundo e a servir a Deus na humildade. O amor a Maria sempre afasta o mal e reconduz à prática do bem”. (Tomás de Kempis).

Quem ama a Maria habitua-se a dizer, de coração, inúmeras vezes ao dia: Ave, Maria! Habitua-se também a bradar que o amor, o carinho e a devoção mariana são uma doce harmonia do céu, a máxima inspiração da beleza e do encanto, o despertar dos mais nobres valores humanos e cristãos.

Nas datas das solenidades litúrgicas dedicadas à Virgem Maria, todos nós que amamos Nossa Senhora devemos reservar tempos e momentos para refletirmos nos mistérios da fé relacionados a Ela, sobretudo os dogmas marianos e as aparições de Nossa Senhora no decorrer de nossa História. No desenvolvimento dessa meditação, ouviremos a doce voz de Maria nos dizendo: “Aqueles que me tornam conhecida, terão a vida eterna!”. (Eclesiástico 4, 31).

O amor exalta a beleza, a entrega e o serviço e, por isso, não mede sacrifícios e renúncias em prol da pessoa amada. Quem ama exalta a vida, a graça, o esplendor, o encanto. Dessa maneira, quando somos conquistados pelo amor de Maria, atualizamos nossa pertença a Deus e à Igreja e a nossa devoção para com Nossa Senhora por meio de gestos e de palavras humildes, mas repletas da simplicidade do amor que nos leva a abrir o nosso coração a Maria, dizendo: “Ó Mãe, ó Rainha, ajudai-nos a vos amar, ajudai-nos a vos louvar! Vós sois a beleza, e não podemos vos admirar o suficiente. Vós sois a bondade, e não podemos vos louvar o suficiente. Nós vos dizemos, portanto, a única palavra digna de vós: a palavra vinda do céu, a palavra do arcanjo: Ave, Maria!”. (Dante Alighieri). Ó Maria, nós vos amamos e, por isso, com especial amor, nas diversas horas do dia, nós iremos vos louvar, invocar e honrar. Ó Maria, intercedei por nós e ajudai-nos a perseverar no amor para convosco e para com o vosso Filho Jesus, que é o nosso Deus adorado e amado que sabe tudo e sabe que nós O amamos.

Aloísio Parreiras

(Escritor e membro do Movimento de Emaús)

2020-10-14T15:19:54-03:0014/10/2020|