Arcebispo de Brasília celebra Missa pelo V Dia Mundial dos Pobres

Na manhã deste domingo (14), Dom Paulo Cezar Costa, Arcebispo de Brasília, celebrou Santa Missa pelo V Dia Mundial dos Pobres convocado pelo Papa Francisco em todo o mundo. Muitos grupos e pastorais sociais estiveram presentes na Catedral de Brasília para participar deste dia de reflexão e doação. A Celebração contou com a presença do Bispo Auxiliar de Brasília, Dom Marcony Vinícius, do Vigário Episcopal para a Promoção Humana e Obras Sociais, Frei Rogério Soares, O. de M., do Vigário Episcopal do Vicariato Centro e Pároco da Catedral, Padre João Firmino, além da presença do Padre Miguel Angel, Pároco da Paróquia Nossa Senhora do Encontro com Deus, na Cidade Estrutural e do Padre Raimundo Nonato, Vigário da Catedral de Brasília. Esteve presente, também, na Assembleia, o Ministro da Justiça, Dr. André Torres.

pobre3

Em sua homilia, Dom Paulo Cezar, destaca que “neste final de ano litúrgico, a Igreja sempre coloca o Senhor que está no meio de nós, mas também, que virá na sua segunda vinda. A Igreja quer que vivamos essa expectativa para o encontro com o Senhor, ela nos ajuda a estarmos preparados para esse encontro através da Liturgia.” Ainda sobre a Liturgia da Palavra, o Arcebispo continua: “A linguagem que as leituras de hoje têm é útil para afirmar que o Senhor retornará. Obviamente, Ele permanece em nosso meio através da Eucaristia, da Palavra e nos irmãos, sobretudo, os mais necessitados.”

 

Refletindo sobre a convocação do Santo Padre, Dom Paulo afirmou: “Por isso, no dia de hoje, celebramos o dia do pobre. O pobre é presença do Senhor no meio de nós. É dever nosso, como cristãos, assistir os nossos irmãos mais necessitados. Desde a Igreja Primitiva isso é uma realidade da comunidade. Inclusive a mandato dos apóstolos que diziam para os cristãos não se esqueceram dos pobres”. Lembrando da mensagem do Sumo Pontífice para este dia, Dom Paulo afirmou que “o Papa Francisco afirma os pobres não devem ser pessoas externas a comunidade, mas são participantes da mesma. O Cristo esta necessitado, quando o pobre está necessitado. Quando o pobre bate à nossa porta, é o próprio Cristo que se coloca diante de nós.”

 

Por fim, o Arcebispo fez uma exortação bastante profunda: “Tudo isso exige atitudes concretas na vida pessoal, na vida da comunidade, na vida de uma sociedade. Os pobres não podem esperar. A fome, as dificuldades não esperam para chegar. Por isso é necessário nosso amor concreto, por parte da Igreja, por parte de nossas famílias e por parte dos governantes.” E ainda colocou que “é preciso estar atentos aos sinais! A sociedade de aparência, muitas vezes, não tem a sensibilidade aos sinais que Deus vai mostrando no dia a dia, na simplicidade. Quando se perde a sensibilidade, se perde a oportunidade de escutar a Deus. Por isso é necessário estar atento. Atento ao Senhor que passa, ao Senhor que perpassa e repassa na vida, no dia a dia.”

 

Para o senhor Elisvaldo Paiva, coordenador arquidiocesano da Pastoral do Migrante “o dia do pobre é um dia de reflexão, de pensar no pobre, aliás, todos os dias devemos pensar neles. A Missa de hoje nos leva a refletir sobre o assunto e as pastorais sociais se envolverem mais com a causa do excluído, do menos favorecido na sociedade.” Para a senhora Sônia Cardoso, também da pastoral do migrante, é uma reflexão necessária porque “a pobreza aumentou muito nesse período de pandemia. O desemprego aumentou, muitas empresas fecharam e as pessoas viram na Igreja o seu refúgio.”

 

 Ao final da celebração, Dom Paulo Cezar agradeceu a todos que têm colaborado nas pastorais sociais e incentivou todos os membros a, cada vez mais, doarem sua vida nesta missão tão bonita de encontrar Jesus no mais necessitado.

dia mundial do Pobre

O dia mundial dos pobres é uma inciativa do Santo Padre, o Papa Francisco, que iniciou esta jornada há cinco anos e deseja que a Igreja esteja cada vez mais preocupada em amar os irmãos e não os terem como descartáveis na sociedade. Cada ser humano é importante.