ARTIGO | SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

O coração é o órgão muscular, que está presente nos seres humanos e em outros animais, que bombeia o sangue por meio dos vasos sanguíneos do sistema circulatório. O coração é um órgão essencial para a nossa existência, garantindo que o sangue seja transportado para todo o organismo e, por isso, devemos cuidar do nosso coração desde sempre, adotando hábitos saudáveis como a prática de atividades físicas, uma boa alimentação e o devido acompanhamento médico. Devemos cuidar, com esmero, do nosso coração porque ele é também o centro da nossa vida espiritual e afetiva, a sede dos sentimentos e da vontade.

Com a encarnação do Verbo, nosso Senhor Jesus Cristo assumiu a nossa natureza humana sem deixar de ser Deus, ou seja, Ele tem um coração humano que pulsa de amor por nós. A imagem do Sagrado Coração de Jesus é representada em uma cruz, com espinhos e uma chama de fogo, fazendo referência aos sacrifícios que o nosso Redentor realizou na Cruz, e com uma ferida no lado devido à lança do soldado romano. Desse Sagrado Coração aberto de Jesus jorra uma contínua fonte de misericórdia sobre a nossa História, pois “o mistério do coração abre-se através das feridas do Corpo; abre-se o grande mistério da piedade, abrem-se as entranhas da misericórdia do nosso Deus.” (São Bernardo)

No exercício cotidiano da fé, nós somos chamados a honrar e a amar o Sagrado Coração de Jesus, que nos oferece os valores da caridade, da justiça e da paz, sendo ele fonte de vida para a humanidade.

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus é uma forma por excelência da religiosidade cristã e tem a sua origem nas Sagradas Escrituras que, com frequência, recorre à imagem do coração para expressar o infinito amor de Deus pelos homens. Este amor tem o seu ápice na Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus.

Quando meditamos o Evangelho, e acompanhamos os passos de Jesus, nós aprendemos que é o próprio Cristo quem toma a iniciativa de nos apresentar o Seu Coração como fonte de paz e de restauração, afirmando: “Vinde a Mim todos vós que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o Meu jugo e aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para o vosso espírito. Pois o Meu jugo é suave e o Meu fardo é leve.” (Mt 11, 28-30)

Na senda do Evangelho, nós acompanhamos o acolhimento que nosso Redentor ofereceu aos pecadores, aos fariseus, às viúvas e aos enfermos. Neste itinerário, adquirimos a consciência de que o Sagrado Coração de Jesus é uma fonte de vida e de luz para quem quer que seja, a vida que vivifica toda a vida, a inefável beleza do Deus altíssimo, a luz que ilumina toda a luz.

Percebemos, também, que o Sagrado Coração de Jesus é o suave manancial da caridade onde encontramos descanso, felicidade, amparo nas noites escuras da vida e a doce consolação que nos leva a professar: “Vosso Coração, Jesus, foi ferido, para que na ferida visível contemplássemos a ferida invisível de Vosso grande amor!” (Santo Agostinho)

Em termos litúrgicos, a Igreja celebra a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus na sexta-feira da semana seguinte à Festa de Corpus Christi, evidenciando que a Sagrada Eucaristia é o Sublime Sacramento do Altar que jorrou do Coração transpassado do nosso Salvador.  Todo o mês de junho é consagrado ao Sagrado Coração de Jesus e, na primeira sexta-feira de cada mês, a Liturgia nos convida a desagravar o Senhor por tantas ofensas cometidas por aqueles que não creem em Seu infinito amor. Essas sextas-feiras devem ser vividas por nós como dias de reparação pela frieza, desprezo, indiferença, abandono e sacrilégios, que muitas vezes o Cristo sofre na Eucaristia.

Santa Margarida Maria Alacoque foi uma das principais religiosas da Igreja a propagar a devoção ao Sagrado Coração de Jesus. Ela teve uma revelação do Sagrado Coração quando ouviu: “Meu Coração divino está inflamado de amor pelos homens e por ti. Preciso difundir as chamas do Meu Coração para enriquecer a todos com os preciosos tesouros do Meu Coração!” Mostrando o Seu Coração transpassado pela espada, Jesus disse a Santa Margarida: “Eis o Coração que tanto tem amado os homens e em recompensa não recebe da maior parte deles senão ingratidões pelas irreverências e sacrilégios, friezas e desprezos que têm por Mim nesse sacramento do Amor!”. Assim nasceu a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus.

Nesses nossos dias,  quando somos confrontados com tantas ideias niilistas, relativistas e hedonistas, nós, fiéis cristãos, amantes do Sagrado Coração de Jesus, devemos elevar nossas almas ao Sacratíssimo Coração de nosso Redentor, suplicando que nos ensine a perseverar na fé, na esperança e na caridade, a fim de que saibamos, com fortaleza e sabedoria, superar os pecados e os vícios do mundo e seguirmos em frente no aprendizado cotidiano da santidade, pautando nossa vida nos valores do Evangelho, com a certeza de que nos corações dos discípulos missionários de Jesus não pode haver espaço para mágoas, intrigas, discórdias, desavenças e amarguras. Assim como o Coração de Jesus, o nosso coração deve ser manso, humilde, terno, pacífico e acolhedor.

Peçamos ao Cristo, nosso Deus adorado e amado, que faça o nosso coração sempre mais semelhante ao d’Ele, para que possamos viver, com determinação e fidelidade, os sacrifícios e renúncias exigidos pelo Amor junto ao nosso próximo, às nossas famílias e nossas comunidades.

Coloquemos sempre mais nossas esperanças e confianças no Sagrado Coração de Jesus, que é fonte de misericórdia, de cura e de libertação. Imitando a atitude de São João evangelista, o discípulo amado, descansemos a nossa cabeça sobre o peito de Cristo, a fim de que possamos beber “os segredos sublimes das profundidades do Coração de Nosso Senhor.” (Santo Agostinho). Hoje, amanhã e sempre, saibamos suplicar com o coração em chamas: “Jesus, manso e humilde de Coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso!”

Aloísio Parreiras

(Escritor e membro do Movimento de Emaús)