As luzes anunciam: vem chegando o Natal!

             “Nas terras do oriente, surgiu dos céus uma luz, que vem brilhar sobre o mundo e para Deus nos conduz…”, esse verso é cantado iniciando muitas liturgias em várias comunidades no Tempo do Natal. As luzes que brilham nas cidades neste tempo de fim de ano têm sua razão de ser por conta do sentido cristão do tempo litúrgico que estamos para viver: o Advento, preparação para o Natal.

Da mesma forma que o tempo do Advento prepara a celebração do Natal do Senhor, as luzes são um sinal de que Ele há de vir. Foi a luz de uma estrela que mostrou aos Reis Magos onde estava o Menino; foi a luz deste Menino que tirou o mundo das trevas; são as luzes deste período que mostram para a sociedade que “a Luz de Verdade, que vindo ao mundo, ilumina todo ser humano.” (Jo 1, 9) O próprio Papa Francisco, ao falar sobre a iluminação da Praça de São Pedro, no Vaticano, para o Natal, afirmou: “queremos que a luz de Cristo esteja em nós. Um Natal sem luz não é Natal”.

“Da cepa brotou a rama, da rama brotou a flor, da flor nasceu Maria, de Maria, o Salvador.” Também uma árvore nos mostra um sentido profundo para refletir o Natal. Apesar de símbolo comercial, onde se depositam os presentes, já no século VIII, São Bonifácio observou que os pinheiros eram árvores muito significativas no inverno rigoroso do Hemisfério Norte: eram uma das poucas árvores que não perdia sua folhagem. É, pois, sinal de vida que, no meio da dificuldade, permanecendo forte, ereta, robusta em meio a rigidez do frio. O Cristo vem, em meio as dificuldades deste mundo e nos mostra que é possível permanecer forte e rijo diante das adversidades da vida: basta que confiemos Nele. Além disso, a árvore para o Natal está sempre a apontar para o alto, em direção para Deus, nos mostrando que devemos nos preparar, neste período, para nos colocar diante Dele.

“Já nasceu o Deus Menino para o nosso bem…”, e um dos sinais mais claros deste tempo de preparação para o Natal é o presépio. Ele foi criado por São Francisco de Assis que teve um objetivo catequético e espiritual para ensinar ao povo o sentido do Nascimento de Cristo. Além de enfeitar a casa, ele cumpre o objetivo de ser um objeto devocional onde as famílias podem se colocar diante para rezar a novena, o Terço e partilhar a Palavra para que o Senhor também nasça no coração de cada um que O celebra com devoção.

“Só por ti, Jesus, quero me consumir, como vela que queima no altar…” as velas, no Advento e no Natal são sinal, além da luz que dissipa as trevas, a fé e o amor consumidos em favor da causa do Reino de Deus. As velas seriam como que vidas entregues para se consumir, se dar totalmente em favor da vida em Cristo.

Que estes sinais nos ajudem a viver bem esse período e que possamos dar o sentido correto aquilo que nos remete a Deus. É Ele o centro de nossas vidas, independente de quando e onde estamos.