Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja

No Concílio Vaticano II, em 1964, o então Papa Paulo VI proclamou Maria Santíssima Mãe amorosíssima de todo o Povo de Deus. E em 2018, Papa Francisco instituiu, no Calendário Romano Geral, a segunda-feira após o domingo de Pentecostes, data para celebrar a memória da Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja.

O objetivo dessa celebração comemorativa, conforme o decreto “Ecclesia Mater”, é aumentar o sentido materno da Igreja nos pastores, religiosos e fiéis, além da piedade materna genuína.

Segundo o Cardeal Sarah, enquanto Maria aguardava a vinda do Espírito Santo com os apóstolos (At 1, 14), já era iniciada a sua missão materna, e, desde então, Ela nunca mais parou de se ocupar e curar maternalmente a Igreja peregrina no tempo. Naquele dia, o primeiro Pentecostes, Maria era para os discípulos a memória de Cristo, pois seus olhos refletiam o rosto do Salvador e seu coração imaculado guardava os mistérios do Mestre. De alguma forma, Ela presidiu o nascimento da Igreja que saiu do Cenáculo para anunciar ao mundo inteiro as maravilhas de Deus.

Quando dizemos que Maria é Mãe da Igreja, estamos apenas afirmando, e confirmando, o seu papel singular na Encarnação, gerando em seu seio o Filho de Deus feito carne e dando-o para a Salvação do mundo. Graças ao seu fiat e à sua fidelidade à Deus, a Virgem Maria é a testemunha particular do Verbo Encarnado. Ela é a memória viva do seu Filho e, por isso, Ela permanece na Igreja de forma maternal.

No alto da cruz, quando Jesus dá à Mulher o discípulo amado por seu filho (Jo 19, 26), a Virgem Maria recebe, por herança, a filiação de toda humanidade, ora representada por João, tornando-se a amorosa Mãe da Igreja, gerada por Cristo com o envio do Espírito Paráclito.

“O desejo é que esta celebração, agora para toda a Igreja, recorde a todos os discípulos de Cristo que, se queremos crescer e enchermo-nos do amor de Deus, é preciso enraizar a nossa vida sobre três realidades: na Cruz, na Hóstia e na Virgem – Crux, Hostia et Virgo. Estes são os três mistérios que Deus deu ao mundo para estruturar, fecundar, santificar a nossa vida interior e para nos conduzir a Jesus Cristo. São três mistérios a contemplar no silêncio” (Roberto Sarah).

Em 2021, a data será celebrada em 24 de maio, coincidindo com a data comemorativa de Nossa Senhora Auxiliadora.

Que Maria Santíssima, que aceitou ser nosso caminho da Salvação, sempre interceda do céu por nós e socorra a Igreja, da qual é Mãe e Rainha, com sua poderosíssima proteção.

 

 

Nivea – MESCE/ Paróquia Nossa Senhora do Lago

 

2021-05-24T10:57:00-03:0024/05/2021|