CAMINHAR COM NOSSA SENHORA

No aprendizado da fé e da santidade, no desenvolvimento da caminhada na vida cristã, é sempre uma grande graça poder reconhecer na Virgem Santa Maria, a Mãe do Belo Amor, um paradigma do fiel cristão que ama e serve a Jesus Cristo com renovada caridade e esperança. Ela é a Mãe da Igreja, o Auxílio dos cristãos, a Nossa Senhora das Famílias, o Refúgio dos pecadores, e nos ensina que, em todas as fases da vida, devemos renovar nossa pertença a Deus e à Igreja com a consciência de que nascemos para conhecer, servir e amar a Deus.

Maria de Nazaré, a nossa Mãe e Senhora, é um presente que nos é dado pela Divina Providência e, por isso, devemos testemunhar que o culto e a devoção a Nossa Senhora “procedem da verdadeira fé, pela qual somos levados a reconhecer a excelência da Mãe de Deus e impelidos a um amor filial para com a nossa Mãe e à imitação de suas virtudes”. (Lumen Gentium, n.º 67).  Nesse sentido, caso alguém venha a lhe questionar por que você nutre uma fecunda devoção por Nossa Senhora, responda com fé: Maria é parte integrante do projeto de Salvação que Deus me propõe e, por amor a Ele, eu a tenho como uma Mãe amada!

Fiel e estimado devoto de Nossa Senhora, olhe para Maria e descubra a profundidade de cada uma de suas palavras e de suas atitudes. A jovem Maria, do alto dos seus catorze ou quinze anos, declarou: “Eu sou a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a Tua palavra!” (Lc 1, 38). Com essas palavras, Ela nos ensina que ser humilde significa viver segundo a vontade de Deus e sempre em sintonia com Seus Mandamentos e ensinamentos.

Maria também passou pelo mundo fazendo o bem e pede a todos nós a mesma atitude, ou seja, o desprendimento e a entrega total e absoluta aos projetos de Deus e à expansão de Sua Boa Nova. Em sua simplicidade, a Virgem de Nazaré nos ensina a ser um canal da graça, dizendo sempre “sim”, e nos demonstra que esse “sim” deve ser reafirmado a cada novo dia de nossa existência.

Por ser a nossa bondosa Mãe, Ela não se cansa de nos dizer: Amado filho, abra-se à experiência do amor que o meu Filho lhe propõe! Caminhe lado a lado com Ele! Siga os Seus passos! Permaneça na vivência do Seu amor! E “fazei tudo o que Ele vos disser!” (Jo 2, 5) Creia que se Ele lhe pede para viver a fé, a santidade, a temperança e a justiça é porque Ele o ama e, em Seu amor, Ele quer o melhor para você! Ouça, com o ouvido de sua alma, o que eu lhe afirmo, todos os dias: “Deus é testemunha de que vos amo a todos no coração de Cristo Jesus. Por isso lhe peço que a vossa caridade cresça cada vez mais em ciência e discernimento, para que possais distinguir o que é melhor e vos torneis puros e irrepreensíveis para o dia de Cristo na plenitude dos frutos de justiça!” (Fl 1, 8-11).

Zeloso devoto mariano, persevere na correspondência ao amor de Cristo e não permita que os apelos do mundo e os falsos deuses o façam esquecer que a Virgem Imaculada conduz a todos nós ao encontro com o Cristo vivo e ressuscitado. Em sua poderosa intercessão, Ela nos indica que Cristo é o mais sólido e perfeito caminho para a comunhão, a fraternidade e a conversão. Quando Ela nos fala de Cristo, Ela afirma: “Vou mostrar-vos um caminho que ultrapassa tudo!” (1 Cor 12,31).  Aos jovens, de um modo especial, Ela diz: “Alegra-te, jovem, na tua adolescência, e que o teu coração repouse no bem nos dias da tua juventude”. (Eclesiástico 11, 9).

Precioso destinatário do amor de Deus, professe aos seus familiares e amigos que damos uma imensa alegria a nosso Senhor Jesus Cristo quando imitamos, em nossas vidas, as virtudes inerentes a Nossa Senhora, sobretudo a humildade, a doação, o serviço desinteressado e o espírito de oração. Contemple as virtudes de Maria e perceba que Ela nos ensina que, quando estamos em união com Cristo e repletos da graça de Deus, estamos prontos para realizar um fecundo serviço. Como nossa Medianeira, Nossa Senhora nos encoraja a vencer as obras e investidas das trevas e, quando a tentação parece ser superior às nossas forças, Ela nos acalenta, dizendo: “Tende confiança, filhos, rogai a Deus, que Ele vos livrará da opressão dos inimigos. Eu espero que obtereis a salvação do Deus eterno; o Deus Santo deu-me a consolação de saber que sobre vós virá a misericórdia do vosso Salvador, o Eterno!” (Br 4, 21-22).

Todos nós que somos discípulos missionários de Jesus devemos perceber que Maria nos oferece o seu próprio exemplo. Foi Ela quem deu Jesus ao mundo! Amigos, é preciso aprender de Maria o gesto do dom total de si a Deus! É desejo de Maria que muitas pessoas das diversas idades conheçam a seu Filho e vivam em fecunda união com Ele e, para que isso ocorra, Maria nos oferece um modelo de evangelização. Evangelizar, amparados nas virtudes de Nossa Senhora, é fazer com que Jesus Cristo se faça presente na vida de nossos coetâneos, pois “Maria é sempre o caminho que conduz a Cristo. Cada encontro com Ela implica necessariamente um encontro com o próprio Cristo. Que outra coisa significa o recurso a Maria senão procurar Cristo, nosso Salvador, entre os seus braços, n’Ela e por Ela e com Ela?”. (Papa Paulo VI, Encíclica Mense maio).

Fiel praticante das devoções marianas, Nossa Senhora quer que, a cada novo dia, suas horas sejam ocupadas com a oração do terço, do Ângelus, da Salve-Rainha, do Lembrai-vos e de tantas outras devoções marianas que o aproximam de Cristo. Ela é a Mãe da Eucaristia, a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a Rainha da Paz e a Nossa Senhora do Rosário.

É essencial em sua vida que você saiba e sinta que Ela é Mãe e você é seu filho! Para ser um bom filho de Maria, quero que você aprenda a rezar com Santo Ambrósio: “Que todo o teu espírito, ó Mãe, torne-se nosso! Que a tua fé, a tua presença e a tua caridade se tornem nossas; que a tua humildade e simplicidade se tornem nossas. Que o teu amor por Deus se torne nosso! Esteja em cada um de nós a alma de Maria para glorificar o Senhor, esteja em cada um de nós o espírito de Maria para exultar em Deus!” (Comentário ao Evangelho segundo Lucas II, 26). Estejam em nossos corações as virtudes de Maria para que possamos bradar: “A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador!” (Lc 1,46-47).

 

Aloísio Parreiras

(Escritor e membro do Movimento de Emaús)

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *