Catedral de Brasília apoia campanha de conscientização contra a Poliomielite

Quem passar na frente da Catedral Metropolitana de Brasília até o dia 22 de novembro verá uma figura diferente: uma escultura de dinossauro colorido, chamado de Robson. A intervenção faz parte de uma campanha, por meio da arte urbana, de conscientização da vacinação infantil contra a poliomielite.

Caroline de Melo, responsável pela intervenção, explica que “nos últimos anos, a cobertura vacinal contra doenças do passado vem caindo, o que pode trazê-las de volta e colocar a todos em risco.”

A escolha do dinossauro colorido tem por objetivo usar de uma linguagem lúdica para atingir crianças e responsáveis de todas as idades, visando mostrar que ele “vem do passado” para fazer um alerta de que doenças que estão há muito tempo transitando pela sociedade devem ficar, de fato, no passado e, para isso, são combatidas pela vacinação.

Segundo dados do Ministério da Saúde, a cobertura vacinal contra a poliomielite tem diminuído ao longo dos últimos anos. Em 2019, a cobertura vacinal  para poliomelite estava em torno de 84%; no ano de 2020, com o ápice da pandemia, esse número chegou a 76%. Em 2021, até o momento, a taxa caiu para 59,82%. A situação acende um alerta para a possibilidade da volta da doença que causa paralisia nos músculos, sobretudo nos membros inferiores, e até mesmo a morte, mas a maioria das pessoas infectadas não fica doente e não manifesta sintomas, deixando a doença passar despercebida.

 

Locais de Vacinação

Pais e responsáveis têm papel fundamental nessa missão. A vacina contra pólio nas versões VIP e VOP, destinada a crianças e adolescentes menores de 15 anos (14 anos 11 meses e 29 dias), podem ser encontradas nos postos de vacinação no DF.