Conheça a história de Santa Teresa D’Ávila (Santa Teresa de Jesus)

Santa Teresa nasceu em Ávila (Espanha) aos 28 de março de 1515. Seu pai, Alonso de Cepeda, era viúvo e tinha dois filhos quando se casou com sua mãe, Beatriz de Ahumada, e com ela teve mais dez filhos. Esta família numerosa, descendente de judeus convertidos, era muito religiosa. Sua mãe faleceu quando Teresa tinha treze anos. Terceira filha do segundo matrimônio de seu pai, Teresa era uma jovem muito vaidosa e sociável.

Após a morte da mãe, Teresa foi enviada por seu pai a um colégio interno para estudar. Foi então que, em contato com as religiosas do colégio de Santa Maria da Graça, mesmo contra a vontade do pai, decidiu entrar para o Carmelo da Encarnação, motivada mais pelo temor do que pelo amor, pois tinha receio de viver uma vida de casada, semelhante à das mulheres com que convivia, as quais reprovava. Após um ano, contraiu grave doença e sua família a colocou nas mãos de uma curandeira. Ficou tão debilitada, que até foi dada como morta. Segundo Santa Teresa, ela foi salva devido à intercessão de São José. Porém, a doença deixou sequelas por toda a sua vida.

Enquanto estava doente, fez leituras sobre a vida franciscana, o que influenciou na sua evolução espiritual e a introduziu na vida de oração e recolhimento. Mesmo assim, Teresa continuava com intensa vida social dentro do Carmelo, pois seu temperamento alegre e afetivo trazia boas esmolas para o Convento. Apesar de apreciar o convívio social, a experiência de oração e espiritualidade passaram a inquietá-la.

Em 1554, diante de uma imagem de Cristo chagado, iniciou sua transformação espiritual, impulsionada não mais pelo temor, mas por um grande amor a Jesus, que a amou primeiro. Dois anos depois ocorreu sua conversão definitiva, com a irrupção do Espírito Santo, quando ocorre também sua cura e libertação dos problemas afetivos que carregava desde jovem. Em 1562 fundou o primeiro convento de São José das freiras descalças, em Ávila, levando uma vida intensa de muitas viagens e de fundação de vários outros conventos de monjas e de frades.

Do seu gosto pela leitura, adquiriu sólida cultura teológica e espiritual. Quando se viu privada das leituras que a tinham iluminado no seu processo espiritual, devido à publicação do Índice de livros proibidos pela Inquisição em 1559, Deus saiu ao seu encontro: “Não tenhas pena, que Eu te darei livro vivo”. A partir daí, Jesus Cristo se torna seu mestre interior e Teresa alimenta o desejo de comunicar Cristo, transformando-se em apaixonada escritora. Por ser mulher escritora, era mal vista pela Igreja e muitas vezes sofreu com a Inquisição, correndo o risco de ser condenada como herege. Mas, para obter a benevolência dos seus censores, deu-lhes a entender que ela escrevia por obediência e se reconhecia inculta, pecadora e inapta para a missão. Assim, toda a sua vasta obra de carácter autobiográfico retrata sua experiência concreta de vida e espiritualidade, dentre as quais se destacam: o Livro da Vida; Caminho de Perfeição; As Fundações; As Moradas; Contas de consciência; Meditações sobre os cânticos dos cânticos; Cartas; Exclamações; Constituições; Visita de descalças; Desafio espiritual; Vexame; Poesias; Escritos soltos e memoriais.

A partir de quando Teresa se abandonou nos braços de Cristo, Deus a conduziu em direção às “sétimas moradas”. Desta experiência brota a espiritualidade teresiana, comprovando que Deus não deseja outra coisa senão dar-Se a quem O queira receber. Diz Teresa que Deus “doura as culpas” e tira o máximo partido do que é bom em cada um de nós. O caminho que santa Teresa apresenta é o da oração, acolhendo como pobre o que Deus oferece e respondendo à sua graça com uma entrega generosa de si próprio, deixando para trás tudo o que nos perturba e reconhecendo que “tudo é nada”, e que “só Deus basta”.

Sua morte ocorreu a 4 de outubro de 1582 em Alba de Tormes. Foi beatificada por Paulo V em 1614 e canonizada por Gregório XV em 1622. Santa Teresa foi a primeira mulher a receber o título de doutora da Igreja, proclamado por Paulo VI em 1970. No Brasil, Santa Teresa é padroeira dos professores.

 

Oração:

“Ó Santa Teresa de Jesus, vós sois a mestra da genuína oração e nos ensinais a rezar conversando com Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Ó Santa Teresa, ajudai-nos a rezar com fé e confiança, sem nunca duvidar da bondade divina. Ajudai-nos a rezar com inteira conformidade de nossa vontade com a vontade de Deus, com insistente perseverança até alcançarmos aquilo que necessitamos.”

 

 

 

Referênciahttps://www.carmelitaniscalzi.com/pt-br/quem-somos/fundadores/santa-teresa-de-jesus/ Acesso em: 22.set.2021.

 

Leila Ribeiro – Conselho Paroquial da Paróquia Nossa Senhora do lago