Conheça o trabalho dos MESCE – Ministros da Eucarística

O Ministério Extraordinário da Sagrada Comunhão Eucarística

e o amor da Mãe Igreja pelos enfermos

Guiada pelo Espírito Santo, zelosa e atenta às necessidades de seus membros, a Mãe Igreja, ao longo de sua história e sempre que se fez necessário, promoveu modificações em normas canônicas com vistas a possibilitar aos membros do Corpo de Cristo o alcance da graça da participação da natureza divina.

Assim, “tomando em consideração as angústias e dificuldades” enfrentadas em consequência “do exíguo número de ministros sacros em algumas regiões, onde se vão assoberbando as necessidades da ação pastoral e são solicitados múltiplos trabalhos e esforços do ministério pastoral” (1), o Papa São Paulo VI instituiu, em 1969,  o Ministério Extraordinário da Sagrada Comunhão Eucarística (MESCE).

De fato, sendo a Eucaristia a “fonte e centro de toda a vida cristã” (2), sendo a Eucaristia “o próprio núcleo do mistério da Igreja” (3), São Paulo VI não deixaria de ouvir, naquele momento, as súplicas dos fies impossibilitados de participar das Celebrações Eucarísticas por estarem enfermos ou em seu leito de morte. Um Santo, um bem aventurado, possui um coração tomado pela compaixão pelos que sofrem; um Santo vê naquele que sofre o rosto chagado de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Portanto, esse ministério extraordinário, ou seja, não hierárquico, expressa o cuidado pastoral, o zelo e o amor da Igreja por seus membros enfermos. É determinação da Igreja que em todas as comunidades paroquiais sejam tomadas providências para que estes nossos irmãos e irmãs possam receber, com frequência, a comunhão sacramental; revigorando assim a sua relação com Cristo crucificado e ressuscitado, poderão sentir a própria existência inserida plenamente na vida e missão da Igreja, por meio da oferta do seu sofrimento em união com o sacrifício de Nosso Senhor” (4).

Cabe destacar que a Mãe Igreja ensina que “a atenção e o cuidado pastoral por aqueles que se encontram doentes redunda, seguramente, em benefício espiritual de toda a comunidade, sabendo que tudo o que fizermos ao mais pequenino, ao próprio Jesus o faremos” (4).

É importante destacar, inclusive, que o Ministro ordinário da Sagrada Eucaristia é o Sacerdote ordenado e, de fato, “no serviço eclesial do ministro ordenado, é o próprio Cristo que está presente à sua Igreja, como cabeça do seu corpo, pastor do seu rebanho, sumo sacerdote do sacrifício redentor” (…). Pelo ministério ordenado, especialmente dos bispos e padres, a presença de Cristo como cabeça da Igreja torna-se visível no meio da comunidade” (5).  

 

A missão do MESCE

Ao Ministro Extraordinário da Sagrada Comunhão Eucarística cabe: levar a Sagrada Eucaristia aos enfermos (sua principal missão), distribuir a Sagrada Eucaristia na Santa Missa (se necessário), presidir a Celebração da Palavra, fazer a exposição do Santíssimo Sacramento (sem dar a bênção) e celebrar exéquias, sendo as três últimas apenas na ausência de um Sacerdote e com a autorização do Pároco.

As atribuições do MESCE dentro da sua comunidade paroquial não são meramente atividades, mas, um serviço de amor a Jesus e aos irmãos. Uma entrega, uma disponibilidade, uma vivência, um convívio com o Senhor da vida, um estar com Ele e levá-Lo aos irmãos.

“A missão do MESCE deve ser evangelizadora, missionária. A Eucaristia irradia, coloca nosso coração, a nossa vida numa dimensão de saída, de evangelização, de missão” (6).

A escolha e indicação do MESCE

A escolha do ministro segue regras estabelecidas no documento Immensae Caritatis, de 1973, emitido pela Congregação para a Disciplina dos Sacramentos. Em nossa Arquidiocese a escolha/indicação é feita pelo Pároco de cada comunidade, observando as regras contidas no referido documento. A investidura dos indicados é realizada pelo Senhor Arcebispo durante uma Santa Missa preferencialmente na Catedral de Brasília, e ocorre após a participação dos futuros ministros em formação realizada pela Coordenação Central Arquidiocesana dos MESCE.

Cabe ressaltar que, diferentemente das demais pastorais da Igreja, no Ministério Extraordinário da Sagrada Comunhão Eucarística não é o fiel que se candidata, mas, é escolhido e convidado pelo Pároco da comunidade.

 

O mandato do MESCE

Sendo um Ministério Extraordinário, o ministro possui mandato temporário. Em nossa Arquidiocese o mandato é anual, podendo ser renovado a critério do Pároco onde o MESCE serve e disponibilidade do ministro. Para renovação é indispensável, ainda, participar da formação permanente anual. O mandato é concedido em documento formal emitido pelo Senhor Arcebispo para o ano subsequente.

 

A espiritualidade do MESCE

Como já exposto anteriormente, a principal missão do MESCE, a razão para qual foi criado esse Ministério Extraordinário, é levar a Sagrada Eucaristia aos nossos irmãos enfermos que não podem participar da Santa Missa. E como levar Jesus se não O temos dentro de nós, se não O temos como razão de nossa existência? O MESCE, por força do seu serviço aos irmãos, está unido a Jesus Eucarístico e, portanto, é chamado a uma profunda intimidade com o Senhor. Essa intimidade é alimentada pela participação do Santo Sacrifício da Missa, pela meditação da Palavra, pelo Sacramento da Confissão e pela adoração ao Santíssimo Sacramento. “O MESCE é chamado a ser, de modo especial, aquilo que todo cristão deve ser: adorador de Cristo na Eucaristia (7).

A Eucaristia é a fonte e centro da vida do MESCE. É por amor a Jesus Eucarístico que o MESCE quer servi-Lo, levando-O ao irmão; é por amor ao irmão que o MESCE não o deixa sem receber Jesus Eucarístico. É olhando para Jesus, Aquele que deu a vida por seus irmãos, que o MESCE segue servindo a Igreja. “A Eucaristia se torna um exercício constante da imitação do Mestre. O MESCE deve ser a imitação do Mestre Jesus, Ele não veio para ser servido, mas, para servir e dar a vida(8).

 

 

 

Carmen Lúcia Marques Rocha
Coordenação Central Arquidiocesana dos MESCE
————————————————————————————————————————–
  • Instrução Fidei Custos, do Papa São Paulo VI;
  • Constituição Dogmática Lumen Gentium, do Concílio Vaticano II;
  • Carta Encíclica Eclesia de Eucharistia do Papa São João Paulo II;
  • Exortação Apostólica Pós-Sinodal Sacramentum Caritatis, do Papa Bento XVI
  • Catecismo da Igreja Católica nºs 1548 e 1549;
  • Mensagem aos MESCE – Dom Paulo Cezar Costa – Arcebispo de Brasília;
  • Palestra A Espiritualidade do MESCE pelo lado teológico – Dom José Aparecido – Bispo Auxiliar de Brasília
  • Palestra A Espiritualidade do MESCE pelo lado prático – Dom Marcony Vinícius Ferreira – Bispo Auxiliar e referencial para o MESCE da Arquidiocese de Brasília.