CREIO EM DEUS, UNO E TRINO

No Cristianismo, todas as coisas começam em nome da Santíssima Trindade e toda a Liturgia da Igreja está repleta da presença da Trindade. Fomos batizados em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Em nome da Trindade Santa, os pecados são perdoados no sacramento da Reconciliação. Começamos e terminamos muitas orações, dirigindo-nos ao Pai, por mediação do Filho, na unidade do Espírito Santo e muitas vezes, no decorrer do dia, nós bradamos: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.

Quando, de algum modo, mergulhamos no mistério da Santíssima Trindade, adquirimos a consciência de que “acerca de Deus, quanto mais se conhece, menos se pode falar”. (Santa Ângela de Foligno). A Santíssima Trindade é o mistério fundamental, inescrutável, da nossa fé, o sublime mistério do único Deus Uno e Trino. A Trindade é o nosso Porto seguro, uma Torrente de delícias e um Manancial de júbilo e de amor. Desse modo, diante do mistério da Trindade Santa, exclamamos: “Ó abismo da riqueza, da sabedoria e da ciência de Deus! Que insondáveis são os Seus juízos e impenetráveis os Seus caminhos!”. (Rm 11, 33).

No relato da criação, que está no livro do Gênesis, encontramos sinais de que Deus é Uno e Trino, pois, em todo esse relato, o verbo fazer é empregado no plural, ou seja, façamos. Foi nosso Senhor Jesus Cristo, na plenitude dos tempos, quem nos revelou o mistério da Trindade Santa. Ele, no desenvolvimento de Sua vida pública, falou do Pai, do Espírito Santo e d’Ele mesmo como Deus. Graças ao nosso Redentor, temos a certeza de que só existe um Deus, mas n’Ele há três Pessoas divinas distintas: Pai, Filho e Espírito Santo.

A Santíssima Trindade é a Fonte de todos os outros mistérios da fé, é a Luz que nos ilumina e, por isso, a nossa fé católica é esta: cremos em Deus, Uno e Trino. “Deus é trino, mas não tríplice”. (Santo Agostinho, A Trindade, VI,7). Em outras palavras, adoramos um Deus na Trindade e a Trindade na unidade, não confundindo as Pessoas, nem dividindo a substância; porque uma é a Pessoa do Pai, outra a do Filho, outra a do Espírito Santo, mas uma só é a divindade de cada Pessoa da Santíssima Trindade, igual a Sua glória, co-eterna a Sua majestade.

Por revelação e testemunho de Cristo, temos a consciência de que Deus é pleno amor, “não na unidade de uma única Pessoa, mas na Trindade de uma só substância”. (Prefácio da Solenidade da Santíssima Trindade). Deus é Criador e Pai misericordioso. Deus é Filho, eterna Sabedoria encarnada, morto e ressuscitado por nós e Deus é Espírito Santo que tudo move, cosmos e história, rumo à plena recapitulação final. Três Pessoas que são um único Deus, porque o Pai é a caridade, o Filho é a caridade e o Espírito Santo é a caridade.

Em tudo o que existe está, num certo sentido, impresso o nome da Trindade Santa. Para quem vivencia a virtude sobrenatural da fé, todo o universo fala de um Deus Uno e Trino. Desde os espaços interestelares até às partículas microscópicas, tudo o que existe nos conduz a um Ser que se revela na multiplicidade e variedade dos diversos elementos. Quando percebemos os sinais dessa divina Presença na natureza, nos seres humanos e em todas as coisas, salmodiamos com renovada fé: “Ó Senhor, nosso Deus, como é admirável o Vosso Nome em toda a terra!”. (Sl 8,2).

Quando contemplamos o mistério da Santíssima Trindade, penetramos o terreno sagrado da fé que nos revela a nossa pequenez diante da grandeza de Deus. Mesmo que sejamos simples, humildes e pequenos, nós “cremos na Trindade Santa e perfeita, que é o Pai, o Filho e o Espírito Santo; nela não há mistura alguma de elemento estranho; não se compõe de Criador e criatura; mas toda ela é potência, e força operativa; uma só é a sua natureza, uma só a Sua eficiência e ação. O Pai cria todas as coisas por meio do Verbo, no Espírito Santo; e deste modo, se afirma a unidade da Santíssima Trindade”. (Santo Atanásio).

Na contemplação da Santíssima Trindade, nós mergulhamos na revelação de que Deus é uma comunhão plena de amor, de misericórdia e de luz. Ele não vive numa solidão infinita, pois Ele é uma Fonte inesgotável de vida que se doa e se comunica incessantemente. Por conseguinte, quando estamos atentos à comunicação de Deus, quando percorremos, sem reservas, as sendas da santidade, nós ouvimos a voz de Deus sussurrando em nossos ouvidos um sábio conselho: “Aprende a louvar o Pai e o Filho e o Espírito Santo. Aprende a ter uma especial devoção pela Santíssima Trindade: creio em Deus Pai, creio em Deus Filho, creio em Deus Espírito Santo; espero em Deus Pai, espero em Deus Filho, espero em Deus Espírito Santo; amo a Deus Pai, amo a Deus Filho, amo a Deus Espírito Santo. Creio, espero e amo a Trindade Santíssima”. (São Josemaría Escrivá, Forja, nº 296).

Diante da Trindade Santa, nós reforçamos a consciência de que toda a História da Salvação é a história do caminho e dos meios pelos quais o Deus Uno e Trino se revelou e se reconciliou conosco, abrindo-nos as portas da fé e do paraíso. Esse processo de revelação de Deus é notório na celebração da Santa Missa, que é a oração trinitária por excelência. É na Santa Missa que sentimos o chamado para participar e construir a unidade e a comunhão, aderindo a uma comunidade, servindo a Deus, Uno e Trino, e o nosso próximo com o testemunho da misericórdia.

Na celebração da Santa Missa e no cotidiano da fé, saibamos professar: “Bendito seja Deus Pai, e o Unigênito Filho de Deus e o Espírito Santo!”. Em uma profunda adoração à Santíssima Trindade, digamos sempre: “Deus Pai, que revelastes aos homens o Vosso admirável mistério, enviando ao mundo a Palavra da verdade e o Espírito da santidade, concedei-nos que, na profissão da verdadeira fé, reconheçamos a glória da eterna Trindade e adoremos a Unidade na sua onipotência”. (Oração Coleta da Solenidade da Santíssima Trindade). Deus Uno e Trino, Pai, Filho e Espírito Santo, congregai-nos na unidade da fé e na vivência da santidade. Assim seja! Amém!

Aloísio Parreiras

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.