Dom Paulo Cezar celebra, pela primeira vez, a Solenidade de Aparecida, em Brasília

Com expectativa os fiéis aguardavam a Santa Missa presidida pelo Arcebispo de Brasília, Dom Paulo Cezar Costa, às 10h30, na Catedral Metropolitana. A celebração contou com a presença de padres, diáconos, seminaristas, autoridades civis. Respeitando todas as medidas de cuidado sanitário por conta da Pandemia, os fiéis foram acolhidos para fazer suas orações de agradecimento e súplica a Nossa Senhora Aparecida.

Esta é a primeira vez que Dom Paulo Cezar celebra a Festa da Padroeira da Arquidiocese como Arcebispo de Brasília. Em sua homilia, ele destacou sua alegria em presidir esta celebração e levou os fiéis a refletirem sobre o significado do encontro da Imagem milagrosa com a cabeça separada do corpo. “Os pescadores uniram a cabeça ao corpo, a imagem estava dividida e tornou-se uma. A devoção a Nossa Senhora Aparecida nos mostra que devemos sair da divisão para a unidade, para a Comunhão”, afirmou Dom Paulo Cezar. Além disso, destacou que Deus vai se manifestando através das coisas simples, das coisas humildes, Ele faz história na simplicidade. Fazendo referência a primeira Leitura, o Arcebispo sublinhou a figura da rainha Ester como esta marca da humildade: “o rei oferece muitas riquezas a Ester, mas ela quer a vida, a vida do seu povo. A simplicidade daquela mulher salva seu povo, da mesma forma que que a simplicidade de Maria salva a humanidade.” Além disso, quem acolher a simplicidade da manifestação de Deus, acolhe o próprio Deus. Deus quer continuar se manifestando hoje, mas para isso, precisa da simplicidade dos seus filhos porque a casa que Ele quer habitar é o coração do homem.

No fim da homilia, num gesto de devoção bastante marcante, Dom Paulo Cezar fez uma oração a Nossa Senhora que emocionou a muitos que estavam na Catedral: “Ó Maria, estamos aqui com o coração agradecido, com a memória agradecida, porque sentimos o seu amor materno. Ensina-nos, ó Mãe, a termos um coração simples, ensina-nos que o DNA de Deus é o da simplicidade; faz-nos perceber, ó Mãe, que o ‘todo’ é melhor que as ‘partes’, que a unidade é melhor que a divisão. Ó Mãe, assisti a nossa Pátria, as nossas famílias, os nossos corações. Amém.”

Com sentimento de esperança e fé, o casal Lauro e Ana Clara, que participam na Catedral, pais do Vitório, trouxeram seu pequeno milagre para agradecer a Mãe Aparecida: “no ano passado, em 27 de agosto nós fomos ao Santuário em Aparecida e lá nós pedimos que Nossa Senhora nos abençoasse com um bebê. No dia 27 de setembro, num domingo depois de sair da Missa nós fizemos o teste e descobrimos que ele estava a caminho e ano passado, em 12 de outubro estávamos agradecendo a vinda dele, ninguém sabia, só nós e Nossa Senhora. Ele é um milagre para nós.”

A alegria também invadiu o coração do jovem Pedro Henrique, da Paróquia Nossa Senhora da Esperança em Vicente Pires, por estar com seu grupo de escoteiros na Festa de Nossa Senhora Aparecida: “Nosso grupo de escoteiros é um grupo católico, então nós temos a devoção bem grande e viemos prestar essa homenagem a Nossa Senhora Aparecida. Essa é minha primeira vez como escoteiro, mas o grupo sempre está presente nas grandes celebrações da Arquidiocese.”

Antes de encerrar a Celebração, Padre João Firmino agradeceu a todos que colaboraram para a realização da Festa, pela presença das autoridades civis presentes e lembrou que esta foi a primeira vez que Dom Paulo Cezar celebrou a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida como Arcebispo de Brasília e desejou que no próximo ano a festa possa voltar a ser celebrada na Esplanada dos Ministérios com toda a honra e distinção que a Virgem Maria é merecedora.

Após a benção final da Missa, Dom Paulo foi até a praça que fica em frente à Catedral para dar as tradicionais bençãos que, nos outros anos, são dadas durante a procissão. A primeira benção coma Imagem de Aparecida foi dada aos doentes; voltados em direção ao Hospital de Base, o bispo pediu por todos os doentes. Logo em seguida, voltado para a Praça dos Três Poderes, Dom Paulo rezou e abençoou os poderes públicos e, por fim, diante do povo que o acompanhou até a praça, fez sua prece silenciosa e deu a benção para as famílias. Este gesto ajudou os fiéis que participaram desta Missa a recordar a grande festa que acontece na Esplanada e a alimentar a esperança de que, no próximo ano, seja possível retomá-la com toda alegria e fé.

 

2021-10-12T20:55:58-03:0012/10/2021|