Dom Paulo Cezar fala sobre a Missão de férias dos Seminários

“É isso que a Igreja de Brasília quer fazer: anunciar para cada pessoa o amor Misericordioso de Deus que restaura e que dá sentido à vida e à existência”, afirma Dom Paulo Cezar

 

A Igreja em Brasília e os Seminários da Arquidiocese já começam a colher os frutos da Missão de Férias realizada pelos seminaristas na última semana de janeiro antes iniciarem as atividades formativas do ano. Em vídeo produzido pela equipe de comunicação do Seminário Maior Nossa Senhora de Fátima, Dom Paulo Cezar Costa, Arcebispo de Brasília, partilha um pouco da graça vivida no período de missão e os frutos que já estão sendo colhidos pela comunidade e pelos seminaristas.

 

Falando sobre a realidade do Sol Nascente e a presença da Igreja, Dom Paulo Cezar afirma que “a Igreja de Brasília olha para realidade como o Sol Nascente com esperança e com alegria percebendo que aqui é uma porção do povo de Deus que precisa ser acolhida, encontrada e amada. O Papa Francisco tem falado muito nas periferias humanas e existenciais: a Igreja tem essa missão de ir ao encontro de todos, ir principalmente ao encontro dos mais pobres, dos mais necessitados e ser presença para eles – presença do amor de Deus. E é isto que a Igreja de Brasília quer fazer quando nossos queridos seminaristas vêm para o Sol Nascente, passam a semana aqui fazendo missão, anunciando para cada pessoa, para cada realidade, o amor misericordioso de Deus, um amor que restaura, um amor que dá sentido a vida e a existência.”

 

Mas, também, a missão é fonte de formação para os futuros presbíteros da Arquidiocese que muito aprendem, como conclui o Arcebispo: “Essa missão é importantíssima para os seminaristas e para a comunidade porque a missão é sempre um dar e um receber. Os seminaristas vieram, passaram a semana aqui e quando passaram a semana encontraram tantas realidades, encontraram pessoas, tiveram a possibilidade de descer até o encontro com as pessoas onde elas estão. E, assim, anunciaram para essas pessoas, levaram para essas realidades o amor misericordioso de Deus. Mas tenho certeza de que também se enriqueceram porque a convivência humana é sempre a capacidade de dar e receber. Tenho certeza de que em cada casa que entraram, cada pessoa que encontraram, cada realidade que encontraram, eles se enriqueceram. Por isso a missão é importante para a dimensão formativa do discípulo e missionário, importante também para a formação dos futuros sacerdotes pois vai formando verdadeiramente o coração do pastor.”

 

O desejo do Arcebispo é de que os frutos sejam abundantes para a comunidade da Paróquia Cristo Rei, para os seminaristas e para toda Arquidiocese: “Espero que a Missão traga frutos para a comunidade, que a missão tenha despertado corações, vidas, existências. Que tanta gente tenha sido tocada pelo amor misericordioso de Deus. Espero que, agora, também, se cultive a semente que foi plantada, aquela luz que começou a acender dentro dos corações. O Sol Nascente, para o Cristianismo é Cristo, que quer iluminar todas as realidades, a vida das pessoas, a existência das pessoas. Que o Sol Nascente que é Cristo ilumine a vida das pessoas trazendo mais solidariedade, convivência e comunhão na vida das pessoas.”