Dom Paulo Cezar participa de retiro para comunicadores da Arquidiocese de Brasília

Na manhã do último sábado (21/05), a Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de Brasília (PASCOM Brasília) organizou uma manhã de retiro voltado para os comunicadores que colaboram na vida pastoral da Arquidiocese em preparação para o 56º Dia Mundial das Comunicações que acontecerá no próximo domingo, solenidade da Ascensão do Senhor. O retiro aconteceu no Salão Santa Mãe de Deus, na Paróquia São Judas Tadeu da Asa Sul.

 

Foto: Pascom Brasília

 

A manhã foi aberta com um momento de oração conduzido pelo coordenador do Setor de Comunicação da Arquidiocese de Brasília, Padre Roger Araújo, que destacou a grande importância de uma sã comunicação para a evangelização no contexto atual.

Em seguida, o vigário paroquial da Paróquia Imaculado Coração de Maria, no Park Way, e professor da Faculdade de Teologia da Arquidiocese de Brasília (FATEO), Padre Heverton Rodrigues, CSsR, fez uma explanação sobre a mensagem do Papa Francisco para o 56º Dia Mundial das Comunicações que tem como tema, este ano, “Escutar com o ouvido do coração”. O padre destacou que a partir das páginas bíblicas aprendemos que a escuta não significa apenas uma percepção acústica, mas está essencialmente ligada à relação dialogal entre Deus e a humanidade. Como também, a primeira escuta a reaver quando se procura uma comunicação verdadeira é a escuta de si mesmo, das próprias exigências mais autênticas, inscritas no íntimo de cada pessoa.

Após um pequeno intervalo, foi a vez do Arcebispo de Brasília, Dom Paulo Cezar Costa, estar em contato com os comunicadores à serviço da vida pastoral da Arquidiocese. Refletindo sobre várias questões da vida pastoral e espiritual daqueles que trabalham com comunicação, Dom Paulo salientou que não podemos viver na cultura da opinião rasa onde todos são especialistas em tudo e se sentem na autoridade de opinar sobre tudo. Isso é prejudicial porque, por vezes, opiniões equivocadas são lançadas nos meios de comunicação e nas redes sociais causando brigas, contendas e afins que são evitáveis e desnecessárias.

 

“Você só se coloca a caminho com inteireza, com dedicação total aquilo pelo qual você acredita. Quando vem do coração, quando escuta com o coração. A gente ouve tantas coisas durante a vida, mas escutar com o coração deve ser o centro do nosso entendimento, deve ser o centro da interioridade, o lugar onde se aprofunda e se encontra com Deus na intimidade. Maria foi assim, ela guardou tudo no coração é escutou com o coração. Quem não permite que a mensagem de Deus chegue ao íntimo do coração, não consegue responder ao chamado por Deus, e não consegue colocar em prática a evangelização e a comunicação em vistas do anúncio.”, refletiu o Arcebispo, falando da profundidade do tema escolhido pelo Santo Padre.

 

“Infelizmente, na atualidade, poucas pessoas estão escutando com o coração e, isso traz consequências tristes para a vida. Quando uma mensagem toca lá no fundo do coração, ela faz morada e ela nos converte. Por isso, é necessário deixar com que a Palavra de Deus entre, escutar a mensagem do Senhor com o coração. Deixar com que ela saia do raso da nossa vida e entre no profundo da nossa existência.”, constatou Dom Paulo em um trecho de sua reflexão com os comunicadores.

 

Por fim, o Arcebispo expressou seu desejo em relação aos membros de pastoral da comunicação e dos serviços pastorais que trabalham com a comunicação na Arquidiocese: “Que essa mensagem do papa nos ajude a comunicar com beleza, a viver com beleza o dom que o Senhor nos deu de comunicar, de falar, de chegar ao coração das pessoas com a mensagem do Senhor.”

Para acessar, na íntegra, a mensagem do Santo Padre para o 56º Dia Mundial das Comunicações, clique aqui.