EFEMÉRIDE DOS 60 ANOS DA ARQUIDIOCESE DE BRASÍLIA

O nosso amado Papa Francisco, em diversas ocasiões, tem insistido em nos dizer que não podemos ser “desmemoriados”, ou seja, não podemos ter vergonha de nossa história e de nossas raízes. Este hábito de fazer memória da nossa história, da nossa vida e hoje, em especial, da história de nossa Arquidiocese é um exercício de gratidão.

Sentimentos de gratidão, de paz e de prosperidade pairam em nossos corações ao fazermos memória das realizações empreendidas oportunamente pelos nossos arcebispos – Dom José Newton Baptista, Dom José Freire Falcão, Dom João Braz de Aviz e Dom Sérgio da Rocha – e por todos os sacerdotes e religiosos que não pouparam esforços na edificação de cada nova capela ou paróquia nesses sessenta anos de nossa Arquidiocese.

Fazer memória é deixar que o passado toque o presente em vista de um breve futuro. Abraçando o sonho de Juscelino Kubistchek, construir uma nova e moderna capital para o país, muitos brasileiros aceitaram o desafio de se deslocar para o Planalto Central para transformar esse sonho em realidade.

Momento importante nesta epopeia foi a celebração da primeira Missa, que foi realizada no Eixo Monumental, no dia 03 de maio de 1957. Naquele dia, sob o belo céu do Planalto central, os candangos abriram os olhos e reconheceram Jesus, ao partir do Pão.

Poucos anos depois, no ano de 1960, a nossa Arquidiocese foi criada pelo Papa João XXIII e, no dia 21 de abril de 1960, data da inauguração da cidade de Brasília, ela foi instalada.

Nosso primeiro Arcebispo foi Dom José Newton de Almeida Baptista. Dom Newton governou a Arquidiocese de Brasília de 21 de abril de 1960 a 14 de fevereiro de 1984. Seu lema episcopal era: “Adveniat Regnum Tuum”, “Venha a Nós o Vosso Reino”.

Em seu discurso de posse como primeiro Arcebispo de Brasília, Dom Newton colocava a construção do seminário entre as suas primeiras metas pastorais. Em 12 de outubro de 1960, seis meses após a inauguração da Arquidiocese, foi lançada a pedra fundamental do Seminário Arquidiocesano. Naquela ocasião, Dom José Newton afirmou que esse seminário constituiria “a fonte de vida da Arquidiocese de Brasília”. O Seminário foi inaugurado parcialmente em 1º de março de 1962.

Nesse serviço em prol do Reino de Deus no Distrito Federal, Dom Newton contou com a generosa ajuda do Pe. Geraldo do Espírito Santo Ávila, que chegou em Brasília em 1962. Naquele ano, no dia 5 de agosto, o padre Geraldo Ávila foi nomeado Vigário-Geral de nossa Arquidiocese. Em 1965, Dom José Newton nomeou-o, cumulativamente com as funções que já exercia, pároco da Igreja São José, na Asa Norte, e da Igreja do Santíssimo Sacramento, na Asa Sul. Em 1969, ele foi nomeado ainda pároco da Igreja de Nossa Senhora Aparecida, no Gama.

Um fato marcante na história de nossa Arquidiocese foi a transferência do jovem seminarista Jesus Rocha do Seminário de Mariana, em Minas Gerais para a nossa Arquidiocese. No dia 1º de janeiro de 1966 ele foi ordenado sacerdote na Igreja Santo Antônio, na Asa Sul, que era onde funcionava, na época, a Catedral provisória. Após a sua ordenação sacerdotal, o jovem padre Jesus Rocha começou o seu trabalho como Vigário Paroquial da Paróquia São José Operário na Asa Norte.

Nesse serviço inicial da expansão da nossa Arquidiocese, Dom Newton também contou com a ajuda do Pe. Raymundo Damasceno Assis, que desempenhou o serviço de coordenador da Catequese, de 1968 a 1970, e de Chanceler da Arquidiocese, de 1968 a 1979.

A história mora em cada um de nós e cada um de nós mora na história e, por isso, de alguma maneira, o passado orienta nosso presente e nosso futuro. A década de 70, em nossa Arquidiocese, começou com a realização do VIII Congresso Eucarístico Nacional, no mês de maio de 1970, com o tema “À mesa do Senhor”.

Fiéis católicos das diversas regiões do nosso Brasil participaram daquele Congresso e da inauguração oficial da Catedral Metropolitana de Brasília, no dia 31 de maio de 1970, na solene Missa de encerramento do VIII Congresso Eucarístico Nacional. Considerada uma joia artística e arquitetônica, a maravilha número um da cidade, o principal Templo Católico de Brasília, a Catedral foi dedicada à Nossa Senhora da Conceição Aparecida, a Padroeira do Brasil e de Brasília.

Em sua Radiomensagem por ocasião do oitavo Congresso Eucarístico Nacional, o Papa Paulo VI disse: “Nesta hora, o Brasil inteiro estará voltado para a sua Capital, monumento e símbolo da esperança viva de um Povo, onde, ‘à Mesa do Senhor’, vai encerrar-se o Oitavo Congresso Eucarístico Nacional. Convidado, com deferência que agradecemos, a dizer uma palavra, com alegria, participando na vossa festa, convosco, antes de mais, queremos rezar: ‘Bendito, louvado e adorado seja o Santíssimo Sacramento da Eucaristia!’. Em espírito, com emoção e saudade, voltemos a Brasília: gratas recordações afloram ao Nosso espírito. Hoje, contemplamos aí a solene e grandiosa assembleia – epifania da Igreja nesse nobre e belo País – e efetivação da Nova Aliança, no amor que a congregou”.

Em 1971, por seus méritos e evidentes realizações, o padre Geraldo Ávila recebeu, do Santo Padre, o título de Monsenhor. Em 27 de junho de 1977, o Papa Paulo VI nomeou o Monsenhor Ávila como Bispo Auxiliar de Brasília, cuja ordenação, na Catedral Nossa Senhora Aparecida, ocorreu no dia 3 de setembro de 1977, diante de uma multidão de fiéis. Seu lema episcopal era “O Espírito Santo”.

Em união com o Cristo Eucarístico, e com as bênçãos e a mediação de Nossa Senhora Aparecida, a nossa cidade e a nossa Arquidiocese cresceram consideravelmente. O cerrado era desbravado e cedia, aos poucos, espaço para o novo. Grandes empreitadas eram propostas, a capital se desenvolvia e os candangos conquistavam novos espaços de moradia e ali edificavam também as novas paróquias.

No ano de 1978, a celebração da Solenidade de Corpus Christi passou a ser celebrada, a nível arquidiocesano, na imensidão da Esplanada dos Ministérios, com o intuito de congregar o povo católico do Distrito Federal em uma grande manifestação pública da nossa fé eucarística.

            Marco histórico para a nossa Arquidiocese no ano de 1980 foi a visita do Santo Padre, o Papa João Paulo II. Era a primeira vez que um Papa vinha ao Brasil, a maior nação católica do mundo. Ao som de “A bênção, João de Deus”, o país parou para agitar as bandeiras do Vaticano nas ruas das treze cidades que ele visitou em 12 dias.

Às 11 horas do dia 30 de junho de 1980, o Papa João Paulo II chegou ao aeroporto de Brasília, onde realizou o célebre gesto de ajoelhar-se e beijar o chão, saudando a terra que acabava de pisar. Naquele mesmo dia, o Santo Padre celebrou a sua primeira Eucaristia em terra brasileira, na Catedral de Brasília, no encontro com os padres e as religiosas.

Naquele mesmo dia, o Papa celebrou uma primeira Missa na Esplanada dos Ministérios, para um público superior a um milhão de pessoas. Naquela celebração, crianças que participavam da catequese em nossas paróquias, em média, cerca de 100 crianças, realizaram sua Primeira Comunhão e receberam a Hóstia Sagrada das mãos do Papa João Paulo II.  Foi realmente um dia de ação de graças, de celebrar o amor de Cristo por nós.

No ano de 1984, Dom José Freire Falcão foi escolhido para ser o segundo arcebispo de Brasília. O seu lema episcopal é “Servir na humildade”. Dom Falcão, aos poucos, ampliou o número de padres e de paróquias do Distrito Federal.

No dia 15 de setembro de 1986, o padre Raymundo Damasceno foi ordenado bispo na Catedral de Brasília e passou a exercer as funções de bispo auxiliar e vigário geral da Arquidiocese de Brasília. Seu lema episcopal era “Na alegria do Senhor”.

No dia 3 de dezembro de 1988, o jovem Marcony Vinícius Ferreira foi ordenado sacerdote, o primeiro brasiliense a ser ordenado sacerdote. No dia seguinte, domingo, 4 de dezembro, ele celebrou sua primeira Missa na Paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Pompeia, na Vila Planalto, sua comunidade de origem.

            Momento singular da década de 90 foi, certamente, a segunda visita do Santo Padre, o Papa João Paulo II, ao nosso país e à nossa Arquidiocese. Os dias 14 e 15 de outubro de 1991 foram dias de grande fé, esperança e entusiasmo, pois o Sumo Pontífice estava em nossa cidade, aquecendo nossos corações com o Evangelho de Cristo. Naquele saudoso dia 15 de outubro, o Santo Padre celebrou a Santa Missa na Esplanada dos Ministérios e visitou o Seminário Maior Arquidiocesano.

Na homilia da Santa Missa na Esplanada dos Ministérios, o Papa disse: “Caríssimos irmãos e irmãs, é com grande alegria que estou novamente em Brasília. O Papa está feliz vendo como cresceu, nestes últimos 11 anos, esta cidade-menina que vai se tornando, efetivamente, o centro das grandes decisões nacionais. Os amplos horizontes que ele descortina do alto deste planalto, recordam-lhe o sonho profético de Dom Bosco que tanto inspirou os fundadores da cidade. Lembro que não longe deste lugar foi plantado o cruzeiro e celebrada a Primeira Missa que marcou o nascimento de Brasília. Que esta cidade cresça sempre à sombra da cruz e protegida pelas bênçãos maternas de sua padroeira Nossa Senhora Auxiliadora! ”

No ano de 1993, no dia primeiro de dezembro, o padre Jesus Rocha foi nomeado Bispo Auxiliar de Brasília. Seu lema episcopal era “Manso e humilde”.

Na década de 90, no Brasil de maioria católica, mas de vínculos frágeis com a Igreja, somente um terço dos católicos declaravam participar assiduamente da vida da Igreja e, por isso, em união com o Papa João Paulo II, nós renovamos o nosso ardor missionário e buscamos evangelizar com novos métodos e novas expressões, preparando assim o novo milênio que despontava diante de nós.

Com a aurora do novo milênio, a cidade de Brasília comemorou o seu quadragésimo aniversário com a consciência de que a Arquidiocese é cada paróquia, cada movimento, cada pastoral, ou seja, todos que dão vida à Igreja em Brasília.

No dia 28 de janeiro de 2004, Dom João Braz de Aviz foi nomeado o terceiro arcebispo de nossa Arquidiocese. Ele tomou posse no dia 27 de março do mesmo ano. O lema de Dom João era “Todos sejam um”. (Jo 17,21).

No ano de 2007, nos dias 27 e 28 de outubro, nós realizamos a IV Assembleia Arquidiocesana de Pastoral no Centro de Convenções. O lema da nossa IV Assembleia foi: Santidade e unidade.

No ano de 2010, ano do cinquentenário da capital federal, nós sediamos o XVI Congresso Eucarístico Nacional. O tema do XVI CEN foi “Eucaristia, Pão da unidade dos discípulos missionários”. O lema foi “Fica conosco, Senhor! ” De 13 a 16 de maio de 2010, nós realizamos inúmeras atividades no Centro de Convenções, no Pavilhão do Parque da Cidade e na Esplanada dos Ministérios, testemunhando nosso amor à Eucaristia. Ponto alto do XVI CEN foi a vigília com os jovens, que foi realizada na Esplanada dos Ministérios, após uma carreata que teve início no Centro de Convenções. Nos serviços em prol do XVI CEN, formamos um corpo unido, e, por isso, o Congresso foi um trabalho de comunhão, que teve sua fonte na Eucaristia.

Aos 15 de junho de 2011, Dom Sérgio da Rocha foi nomeado, pelo Papa Bento XVI, o quarto Arcebispo Metropolitano de Brasília, tendo sido acolhido na Catedral Metropolitana de Brasília aos 06 de agosto de 2011. O lema episcopal de Dom Sérgio é “Tudo na caridade”. (1 Cor 16, 14).

Orientados por Dom Sérgio e ainda mais fortalecidos pelo Cristo Eucarístico e empolgados com a proximidade da Jornada Mundial da Juventude que estava programada para o ano de 2013, no Rio de Janeiro, nós realizamos o Bote Fé nos dias 12 e 13 de maio de 2012.  Foram dois dias de emoções profundas que deixaram marcas indeléveis nas almas de todos aqueles que puderam ter a graça de tocar na Cruz peregrina e no Ícone de Nossa Senhora. Bela foi a presença e a participação dos jovens no Bote Fé, percorrendo quase todo o Distrito Federal, contagiando-nos com a sua alegria e sorrisos.

Entre as principais atividades realizadas por Dom Sérgio nesses quase nove anos à frente de nossa Arquidiocese, nós podemos citar a acolhida de quatro Bispos Auxiliares (Dom Leonardo Steiner em setembro de 2011, Dom Valdir Mamede no mês de março de 2013, Dom José Aparecido em maio de 2013 e Dom Marcony Vinicius Ferreira em abril de 2014), e a criação do Vicariato Leste e dos Setores XIV (Santa Maria) e XV (Planaltina). Não podemos também deixar de citar as visitas pastorais que são realizadas por Dom Sérgio em todo o Distrito Federal, atualizando o serviço da Igreja em saída, que nos é solicitado pelo Papa Francisco.

No mês de março do ano de 2013, nós realizamos a nossa V Assembleia Arquidiocesana de Pastorais. O tema dessa Assembleia foi “Igreja, Comunhão e Missão” e o lema foi “Ide, anunciai a Boa Nova”. (Mc 16, 15). Essa Assembleia reuniu lideranças clericais, religiosas e leigas para a discussão e planejamento de ações evangelizadoras na nossa Arquidiocese para os anos de 2013 a 2015.

No ano de 2016, nós realizamos a nossa VI Assembleia Arquidiocesana de Pastorais. O tema dessa Assembleia foi “Igreja em Brasília, uma Igreja missionária”.

Contemplando com os olhos da fé os sessenta anos da história de nossa Arquidiocese, nós percebemos que Deus caminhou e caminha conosco pela terra vermelha do Distrito Federal, apontando novos desafios e renovando os nossos ideais de serviço à Igreja. Graças a Ele, a nossa Arquidiocese possui hoje uma estrutura complexa e conta com a colaboração de leigos, sacerdotes e religiosos para cumprir com zelo, fortaleza e sabedoria a sua missão evangelizadora.

Recentemente, no dia 11 de março, Dom Sérgio foi nomeado pelo Papa Francisco como Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil. Neste momento, ele é o Administrador Apostólico de nossa Arquidiocese. Ele deverá assumir a Arquidiocese de Salvador no mês de junho. Enquanto esperamos a nomeação do nosso próximo arcebispo, nós confiamos nossas orações ao Senhor da messe.

Cabe agora, a cada um de nós, o grato dever de continuar a semear, adubar, regar, para que, em um breve futuro, novas gerações possam continuar colhendo novos frutos. Que o Senhor Jesus nos conceda, pela mediação de Nossa Senhora Aparecida, a graça de sermos testemunhas do Seu perdão, que purifica o coração e transforma a vida, e nos ajude a continuar a lançar as nossas redes em águas mais profundas nas periferias e em todos os espaços do Distrito Federal. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Aloísio Parreiras

2020-04-18T12:08:54-03:0021/04/2020|