EU SOU MANSO E HUMILDE DE CORAÇÃO!

Neste século XXI, neste Terceiro Milênio da era cristã, ao contemplarmos o mundo em que vivemos, percebemos que ele continua despedaçado por conflitos, divisões e antagonismos ideológicos, mesmo em tempos de pandemia e de isolamento social. Se no mundo ainda há guerras, atentados terroristas, exploração dos seres humanos, corrupção e o uso indiscriminado da violência em nome do desamor, tudo isso é uma nefasta consequência da recusa do amor de Deus. Mas, como somos cristãos e professamos nossa adesão ao Evangelho, com renovada fé, nós sonhamos com a possibilidade de um mundo unido e reconciliado. Para que esse sonho seja realidade, suplicamos ao Sagrado Coração de Jesus, fonte de toda misericórdia, que ilumine a nossa mente e nos faça compreender qual é a esperança à, qual somos chamados.

Diante de tantos sinais de morte, diante de tantas crises que sacodem e ameaçam as perspectivas de um mundo melhor, a Santa Mãe Igreja não se cansa de nos chamar a contemplar o amor de Cristo, manifestado de maneira particular e sublime no Calvário e na Paixão dolorosa, onde resplandece, diante de nossos olhos, o Sagrado Coração de Jesus.

Do alto da Cruz, com o coração transpassado pela lança, o Cristo continua a nos dizer: “Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei… Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e assim, encontrareis conforto para as vossas almas” (Mt 11, 28). Do alto da Cruz, ao exibir o Seu coração misericordioso, nosso Redentor convoca-nos a abraçar a fé e a deixar-nos transbordar pela caridade, a fim de que possamos adquirir a consciência de que nós somos responsáveis pelo mundo que nos cerca.

Quando vislumbramos a profunda beleza que se encerra no Sagrado Coração de Jesus, nós percebemos que, para que o mundo seja melhor, é preciso que reencontremos a paz conosco mesmos, com o nosso próximo e, acima de tudo, com o nosso Deus. É preciso também que a imagem de Deus, impressa pelo Criador e restaurada pelo Cristo, seja sempre visível em nossos rostos, pois assim poderemos bradar: Ó Jesus, nosso sublime amor, nós confiamos a Vós todas as nossas necessidades e as necessidades do nosso próximo. Vós podeis ajudar-nos, porque sois a própria Misericórdia; em Vós, Senhor, está toda a nossa esperança!

Neste mês de junho, tradicionalmente dedicado à devoção ao Sagrado Coração de Jesus, “o amor de Cristo nos constrange” (2 Cor 5, 14) a trabalhar com maior empenho no anúncio da Boa Nova e a fazer com que o Cristo, que derramou o Seu sangue por nós, seja sempre mais conhecido e amado, pois essa ação é o primeiro e decisivo passo para que o Amor seja vivenciado, adorado e respeitado.

A cada novo dia deste mês de junho, como não experimentar, no fundo do nosso coração, uma incontida alegria de nos sentirmos tão perto de Cristo? Como não se emocionar quando sentirmos o consolo de experimentar o quanto Ele é o nosso Amigo? Como não perceber que é do amantíssimo coração de Jesus que emanam a Eucaristia, a Reconciliação e todos os sacramentos? Como não sintonizar os nossos ideais e empreendimentos com o coração de Cristo? Neste mês de junho, a contemplação do Sagrado Coração de Jesus, fornalha ardente de caridade que chama e aplaca, impulsiona-nos à reconciliação com Ele próprio, com o nosso próximo e conosco mesmos; afinal, “nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor; e quem permanece no amor, permanece em Deus, e Deus nele”. (1 Jo 4, 16).

Expressando o Seu eterno amor por todos nós, Deus escancara diante dos nossos olhos o coração do Verbo encarnado, convidando-nos a adentrar o mistério deste coração transbordante de piedade e de misericórdia, pois ali há para todo ser humano uma mensagem de extraordinária atualidade. Ali, naquele sublime coração, há um fogo que purifica sem queimar e há uma nascente de águas que irriga e fecunda o árido solo de nossos corações e, por isso, quando você se questionar se há jeito para este mundo, eu sugiro que você contemple o Sagrado Coração de Jesus e acolha as suas insondáveis riquezas, encontrando assim a paz e a justiça, reafirmando o seu propósito de continuar colocando seus dons e serviços à disposição do Reino de Deus na construção de um mundo novo.

No cotidiano da nossa fé e no aprendizado da santidade, devemos reforçar nossa confiança em Deus. Agindo assim, nós iremos prosseguir, com fé e piedade, na vivência da devoção ao culto do Sagrado Coração de Jesus. De um modo especial, a Igreja nos convida a “conhecer o amor de Cristo, que ultrapassa todo o conhecimento”. (Ef 3, 14). Por sermos fiéis cristãos, nós devemos manter os olhos fixos em Cristo, trabalhando na construção de um mundo que deve ser edificado sem celeumas, recordando a ternura e o carinho de Cristo para conosco. Em unidade, vamos suplicar: “Coração amoroso do meu Jesus, digno de possuir os corações de todas as criaturas; Coração sempre repleto de chamas do mais puro amor, ó fogo abrasador, consumi-me inteiramente e dai-me uma vida nova, toda de amor e de graça! Uni-me de tal maneira a Vós que nunca mais de Vós me separe!” (Santo Afonso de Ligório, “Visitas a Jesus sacramentado e a Nossa Senhora, página 118”).

Sagrado Coração de Jesus, tende piedade de nós e do mundo inteiro! Coração sacratíssimo e misericordioso de Jesus, dai-nos a paz! Amado Jesus, volvei Vossa Sagrada Face e Vosso amabilíssimo Coração às nossas preces, para que possamos responder com dignidade ao Vosso chamado à santidade, pois nós cremos que o momento mais solene de nossas vidas é aquele em que sentimos que o nosso coração humano está pulsando em sintonia com o Vosso amantíssimo e diviníssimo Coração.

Sagrado Coração de Jesus, perdoai-nos os nossos pecados, traições, infidelidades e ajudai-nos a corresponder ao Vosso amor com generosidade, pois, em plena união Convosco, o nosso coração permanecerá transbordando de alegria, batendo em ritmo acelerado, tremendo de felicidade, pois nele há fecundos sinais da Vossa presença. Sagrado Coração de Jesus, amor eterno e inconcebível, tende piedade de nós! Ensinai-nos, Senhor, a sermos mansos e humildes de coração e a corresponder com profusão tantas graças alcançadas pela fidelidade ao Vosso amor!

 

Aloísio Parreiras
2020-06-10T12:13:06-03:0010/06/2020|