Festa solene de Corpus Christi na Arquidiocese de Brasília.

A festa solene na Explanada dos Ministérios e os tradicionais tapetes de Corpus Christi, que reúne milhares de fiéis da Arquidiocese de Brasília, deram lugar a santa missa seguida da exposição do Santíssimo nas paróquias devido à pandemia causada pelo COVID-19, nesta quinta-feira (11/6).

Na Catedral Nossa Senhora Aparecida, houve duas celebrações. A missa matutina iniciada às 10h30, foi presidida por Dom José Aparecido, administrador Diocesano da Arquidiocese de Brasília e concelebrada por Pe. João Firmino, pároco da Catedral; Pe. Caio; Pe. Lucas; Pe. Fernando e Diácono Alfredo na e por um grupo restrito de féis seguindo às orientações de distanciamento social. A Animação ficou por conta da Banda Maranata.

Dom Aparecido, em sua homilia, saudou, de maneira especial, as pessoas do grupo de risco e que “não tiveram a possibilidade de participar presencialmente da Santa Missa e de receber no curso de uma celebração, o corpo e o sangue de nosso Senhor Jesus Cristo. Saúdo também, aquelas pessoas que sofrem o luto por terem perdido seus parentes pôr aqueles que arriscam suas vidas todos os dias num trabalho incessante de cuidado com a população do nosso Distrito Federal.”

O Administrador Diocesano recorda que “a festa do corpo de cristo é inseparável da quinta-feira santa, é inseparável daquela missa na ceia do Senhor na qual se celebra solenemente a instituição da eucaristia. Porém, quando na tarde da quinta-feira santa, se revive o mistério de cristo, que se oferece a nós no pão partido e no vinho derramado, hoje na celebração do Corpus Christi, este mesmo mistério proposto a adoração e a meditação do povo de Deus, e o Santíssimo Sacramento para este dia costuma ser levado em procissão pelas ruas das cidades, das aldeias em todo mundo, para manifestar que Cristo ressuscitado, caminha no meio de nós e nos guia para o reino dos céus. O que Jesus nos doou na intimidade do senáculo, hoje desejamos manifesta-lo abertamente, porque o amor de Cristo não está destinado somente a alguns poucos eleitos, mas a todos por quem o Senhor derramou o seu precioso sangue.”

Ainda em sua homilia, Dom José Aparecido, explica que “impedem-nos as circunstâncias de saúde pública que são sobejamente de todos conhecida, mas essas circunstancia não impedem que o nosso coração chegue até o Senhor. A oração com adoração. Como adoradores em espirito e em verdade que somos chamados a ser.”

Nos ritos finais, o Santíssimo foi exposto para Adoração seguida de uma pequena procissão, do altar até a entrada da Catedral, onde o bispo concedeu a benção aos governantes e aos enfermos com o Santíssimo.

 

 

 

 

Já no Santuário Santíssimo Sacramento, também com um pequeno grupo de fiés, a Solenidade de Corpus Christi iniciou-se às 11h00 e foi presidida por Dom Marcony, bispo auxiliar de Brasília e concelebrada pelo Pe. Wilson e Pe. Lazaro.

Em sua Saudação inicial, Dom Marcony fala que “de modo muito especial, mas não menor no zelo no amor, na presença e nosso testemunho de Ele é nosso Deus e está no meio de nós, presente nos eu corpo, sangue, alma e divindade, nas espécies consagradas do pão e do vinho”.

Às 18h00, teve a celebração vespertina da Solenidade de Corpus Chisti na Catedral de Brasília. A Missa foi presidida por Dom Marcony.

Pascom Brasília

 

Veja também:

2020-06-12T18:20:56-03:0012/06/2020|