I Domingo da Quaresma

Dom Paulo Cezar Costa

Arcebispo de Brasília

Tentação de Jesus, tentação do discípulo

            Estamos iniciando a Quaresma, período de quarenta dias em que somos chamados a entrar no deserto da nossa vida, da nossa existência com Jesus, sob a condução do Espírito Santo. Diante de Jesus e seu projeto salvífico, somos chamados a olharmos para a nossa vida, a da sociedade, a da educação de nossas crianças e respondermos à pergunta: quais as grande tentações do nosso tempo?  O texto do Evangelho (Lc 4, 1-13) nos ajuda neste exame de consciência quaresmal.

Jesus tinha se submetido ao rito batismal de João Batista e tinha sido ungido pelo Espírito (Lc 3, 21-22). O Evangelista sublinha grandemente este fato: “Jesus, pleno do Espírito Santo, voltou do Jordão; era conduzido pelo Espírito através do deserto durante quarenta dias, e tentado pelo diabo” (Lc 4, 1-2). O deserto rememorava a experiência de Israel que passou quarenta anos no deserto e foi tentado. O deserto é memória, faz-nos reviver o passado e, ao mesmo tempo, projeta-nos para o futuro, pois o Filho de Deus venceu o tentador no deserto e na cruz. Jesus, no deserto, superou as tentações e a Sua vitória tornou-se, para o cristão, certeza de que, conduzido pelo Espírito, nós podemos vencer também as tentações no deserto da  vida e da história. A Quaresma deve ser este tempo forte de deixar-se conduzir pelo Espírito.

Jesus sofre três tentações, e nelas estão resumidas as grandes possibilidades de tentação de cada ser humano. Jesus é tentado a um messianismo fácil, a usar de seus poderes messiânicos em benefício próprio: “Se és Filho de Deus, manda que esta pedra se transforme em pão”. Seu messianismo é para ser dom, Ele é o Messias servo, que deverá servir a ponto de doar a própria vida. Jesus rebate o diabo mostrando que o homem não vive só do pão material, das coisas materiais, que a referência última da vida de cada ser humano deve ser a vontade de Deus.

Na segunda tentação, Jesus é tentado quanto ao poder: “… te darei todo este poder com a glória destes reinos (…) se te prostrares diante de mim…”. É a tentação do poder e da idolatria, adorando alguém que não é Deus.  A resposta de Jesus será: “Adorarás ao Senhor teu Deus, e só a ele prestarás culto”. Tudo aquilo que colocamos no centro da nossa vida que não seja Deus é idolatria, que pode ser dinheiro, ídolos, ideologias etc. A idolatria é um perigo real na vida humana e na nossa sociedade.

A terceira tentação se coloca no plano do messianismo espetaculoso. No pináculo do templo, Jesus é tentado a se atirar para baixo, por que Deus mandará Seus anjos para segurá-lo. É a tentação ao abuso de Deus, de manipular Deus, de querer que Deus responda às nossas necessidades. Tanto que a resposta de Jesus é: “Não tentarás o Senhor, teu Deus”.

Ao contemplarmos o Salvador tentado, o ser humano entende que a tentação faz parte da vida humana, do caminho de fé, mas que o Salvador, Jesus Cristo, venceu o tentador e nos deu a possibilidade de vivermos na amizade de Deus e seguirmos o projeto de Deus. Que conduzidos pelo Espírito de Deus, vençamos as tentações, também aquela de uma educação parcial, que não leva em conta a grandeza do mistério da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus.