II DOMINGO DA QUARESMA – 28/02

A PALAVRA DO PASTOR

+ Dom Paulo Cezar Costa

A Beleza que Salva

 

O texto de Gn 22, 1-18, narra a provação de Abraão. “A prova de Abraão não é simplesmente o sacrifício de um filho, mas deste filho. Isaac é dom particular de Deus, prova de seu amor onipotente; é a promessa cumprida, a palavra feita carne e osso. O velho patriarca tem de sacrificar um filho que ama e uma promessa cumprida que reconhece;  e continua crendo e esperando.  Erguendo a faca sobre o seu filho, aquele que havia cortado o passado saindo da sua pátria, vai cortar o futuro contido em Isaac”[1]. Mas Deus não queria a morte de Isaac, mas a fidelidade de Abraão. Sacrificando o filho recebido de Deus como promessa, abre-se a história ao futuro, pois na sua fidelidade está o futuro da promessa. Por isso, Deus poupou Isaac, mas não poupou o seu próprio Filho Jesus Cristo.

O Evangelho nos apresenta a passagem da transfiguração (MC 9, 2-10). Pedro tinha confessado que Jesus é o Messias, agora o Pai manifesta quem é Jesus: o seu Filho amado. O texto é de uma riqueza muito grande de detalhes. O fato de Jesus tomar consigo Pedro, Tiago e João já indica que é um momento importante do seu ministério. A montanha era, no AT, o lugar da manifestação de Deus. Na transfiguração, Jesus se manifesta na sua realidade mais profunda, na sua divindade. É manifestada a sua glória. Os padres da Igreja interpretavam a veste brilhante, luminosa de Jesus como a Igreja. A Igreja é esta veste luminosa de Cristo. Moisés e Elias significam o Antigo Testamento que se cumpre em Jesus; compreende-se que Jesus não pode ser entendido sem o Antigo Testamento. Eles conversam com Jesus. São Lucas vai dizer que conversavam sobre o êxodo de Jesus que aconteceria em Jerusalém, isto é, sobre a sua morte. Pedro, diante daquela cena maravilhosa quer que fiquem ali, mas não sabia o que estava dizendo. O Pai da nuvem manifesta quem é Jesus: “Este é o meu Filho amado, escutai o que ele diz”. Jesus é o Filho amado. Isaac é filho amado de Abraão. Deus poupa o filho de Abraão, mas por amor a nós não poupou seu próprio Filho. O Pai nos manda ouvi-lo. Como ouvir Jesus? Ele continua a nos falar hoje, através da sua Palavra, através das Escrituras. São Jerônimo dizia que “Ignorar as Escrituras é Ignorar o próprio Cristo”. Este texto nos mostra a importância da Palavra de Deus na nossa vida e na vida da comunidade, pois o Senhor continua a nos falar hoje.  Ao descerem da montanha, Jesus “ordenou que não contassem a ninguém até que o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos”(Mc 9,9).

Esta cena da transfiguração manifesta a beleza de Cristo. É preciso manifestar a beleza da sua face para os homens e mulheres deste nosso tempo. A beleza do seu amor que nos salva. A Igreja é esta veste luminosa de Cristo, que será mais bonita ou mais feia de acordo com a nossa doação, com o nosso testemunho. Que o nosso processo de conversão nos conduza a testemunharmos a beleza da face de Cristo e a tornarmos a sua veste mais luminosa, mas brilhante.

[1] Biblia do Peregrino,nota de rodapé, Comentário a Genesis, 22, 1-19.

2021-03-16T15:51:09-03:0016/03/2021|