Manhã de Festa em honra à Nossa Senhora Aparecida na Catedral de Brasília

O dia começou cedo para vários fiéis que foram à Catedral Metropolitana de Brasília para celebrar a Festa de Nossa Senhora Aparecida. Pelo segundo ano consecutivo, por conta da Pandemia, as Missas aconteceram no interior da Catedral. Isso não diminuiu a beleza da festa e a devoção dos devotos que reservaram um momento da manhã para honrar a Virgem Maria.

Iniciando as celebrações, às 8h, a primeira missa foi presidida pelo pároco da Catedral, Padre. João Firmino, que já no início convidou os presentes a cantarem com fé e alegria a saudação popular a Nossa Senhora Aparecida, “Viva a Mãe de Deus e nossa, sem pecado concebida, viva a Virgem Imaculada, ó Senhora Aparecida.”

Na homilia, o pároco da Catedral e chefe de gabinete do Arcebispo, destacou que a beleza apresentada no refrão do salmo da Liturgia desta Solenidade mostra que todos devem se encantar com o resplendor de Nossa Senhora e que essa formosura transborda o olhar humano, mostrando as virtudes de Nossa Senhora, por exemplo, quando se preocupa com as dificuldades que os noivos do Evangelho, nas Bodas de Caná, passam por conta da falta de vinho. As ações de Maria sempre apontam para Deus, nunca para si mesma: “Fazei tudo o que Ele vos disser”, essa é a palavra de confiança dela.

Para Jorge e Marta, coordenadores da Caminhada com Maria, pertencentes a paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, “é uma felicidade e uma forma de evangelização trazer mais de 120 pessoas para estar aqui na Catedral Nossa Senhora da Aparecida e celebrar seu dia .” O grupo saiu de sobradinho em peregrinação até a Catedral de Brasília para honrar a Virgem Aparecida. Orações e cantos animaram os participantes que não mediram esforços para louvar a Mãe Deus.

Ao final da Celebração, Pe. João convidou as “Marias Aparecidas” presentes para que pudessem receber uma lembrança especial por terem em seu nome uma homenagem a Nossa Senhora. Uma delas foi a senhora Maria Aparecida, moradora do Recanto das Emas que contou sobre a felicidade de estar na Casa da Mãe depois do ano de 2020 em que não pode participar por conta das restrições da pandemia. “Todos os anos a gente vem aqui para a Esplanada, para mim e para as minhas amigas que me acompanham é uma grande felicidade.”, afirmou Maria Aparecida. E, como muitos tem sua devoção por conta de alguma graça alcançada, Maria Aparecida conta o porquê de seu nome: “Eu era muito doente quando eu era pequena, já estava desenganada pelos médicos. Aí minha mãe ofereceu minha vida e minha saúde a Nossa Senhora e, se eu ficasse boa, ela colocaria meu nome de Maria Aparecida, e aqui estou.”

2021-10-12T20:21:03-03:0012/10/2021|