Preparação ao Matrimônio2020-09-10T16:28:22-03:00

PREPARAÇÃO AO MATRIMÔNIO

Quem deseja receber o sacramento do matrimônio deve ficar atento para algumas informações importantes.

O primeiro passo do casal é procurar saber quais as datas e horários disponíveis na paróquia que deseja casar.

Em seguida, devem fazer a inscrição para o Encontro de Preparação para a Vida Matrimonial e ir providenciando os documentos exigidos pelas paróquias.

Feita a preparação e de posse dos documentos, os noivos devem entrar em contato com a secretaria paroquial para pagar a taxa de realização do sacramento e apresentar a documentação. Vale ressaltar que a papelada deve ser apresentada com três meses de antecedência à data do casamento.

Os documentos necessários são:

  • Certidão de batismo atualizada dos noivos
  • Cópia da carteira de identidade dos noivos e dos padrinhos noivos (Algumas paróquias podem solicitar cópia autenticada da carteira de identidade);
  • Comprovante de Freqüência ou a Certidão do Encontros de Preparação para a Vida Matrimonial
  • Protocolo do processo civil
  • Comprovante de residência dos noivos
  • Documento que comprove a transferência para a paróquia escolhida, caso os noivos freqüentem outra paróquia
  • Dispensa emitida pela autoridade competente, caso haja algum impedimento, como parentesco de terceiro grau, religiões diferentes, etc
  • Autorização dos pais ou responsáveis para os noivos, caso sejam menores de 21 anos.

– Algumas paróquias podem pedir outros documentos que julgam ser importantes e que não fazem parte desta lista. Por isso é importante entrar em contato com a paróquia escolhida o quanto antes.


Valor

A taxa cobrada segue a tabela de emolumentos da Arquidiocese de Brasília.


Orientações Pastorais Para o Sacramento do Matrimônio

  1. A preparação deve constituir-se numa educação permanente para o amor, assumido e santificado, como sinal do amor esponsal de Cristo pela Igreja.
  2. Faça-se a preparação remota: Catequese, próxima aos Encontros de Preparação para a Vida Matrimonial, segundo as diretrizes da Pastoral Familiar Arquidiocesana, e imediata (preparação pessoal com o pároco). Na preparação imediata, os noivos sejam levados a buscar o sacramento da reconciliação.
  3. A celebração seja realizada na paróquia, do noivo ou da noiva. Tendo feito devidamente o processo matrimonial, o pároco do noivo ou da noiva pode autorizar a celebração em outra paróquia. Essa transferência é válida também para outras dioceses.
  4. Não haja nenhum tipo de discriminação, ostentação ou luxo na celebração do matrimônio.
  5. Sejam excluídas as músicas profanas ou qualquer outra atitude, nas filmagens ou na ornamentação, que diminua o cunho religioso da celebração.
  6. Quanto à taxa a ser cobrada, siga-se a tabela de emolumentos da Arquidiocese.
  7. É expressamente proibida a celebração do matrimônio em casas de show, restaurantes, clubes, salões de festa ou similares.
  8. É permitida a realização do matrimônio, por uma razão justa, na casa do noivo ou da noiva.
  9. Como norma geral, não será permitido o casamento religioso antes de três anos de separação de fato e a homologação da separação feita pelo poder civil. Nestas situações, o pároco recorra sempre ao Ordinário.
  10. Quanto ao processo, cuide o pároco daquilo que lhe é próprio e daquilo que pode ser feito pela secretaria paroquial.
  11. O ministro que assiste o sacramento do Matrimônio seja imbuído de zelo e cuidado pastoral, sobretudo na paciência com os imprevistos comuns nessas ocasiões.
  12. Os párocos tenham o cuidado pastoral com a devida anotação no Livro de Registro, e em guardar adequadamente o processo, para eventual e futura necessidade.

Informações:

Casal Coordenador Arquidiocesano da Pastoral Familiar: Sílvio Carlos e Aline Carneiro
Telefone: (61) 92148077
E-mail: pastoralfamiliarbrasilia@gmail.com – Coordenadores: Silvio Carlos e Aline Carneiro

>> ATENÇÃO NOIVOS<<<

Devida ao tempo pandêmico provocado pela COVID-19, o Administrador Apostólico da Arquidiocese de Brasília, Dom José Aparecido orientou ao clero a proceder da seguinte forma:

  1. Sacramento do Matrimônio.

4.1. Continua em vigor a recomendação para que se dialogue com os noivos que desejam celebrar as núpcias com a solenidade própria desse sacramento. Seria melhor adiar para quando estiver superada a exigência de distanciamento social.

4.2. Contudo, não se negue a celebração do Matrimônio aos que a pedirem, desde que fique claro que serão observadas as normas de distanciamento social e com a presença do menor número possível de pessoas. Nesse caso deverão ser seguidas as mesmas indicações dadas para a celebração da Santa Missa quanto às idades e grupos de risco. No presbitério estarão presentes no máximo dois casais de testemunhas (padrinhos), salvaguardadas as normas de distanciamento social.

4.4. Cursos de noivos. Enquanto perdurar a proibição de encontros de formação, os noivos ficam dispensados dos cursos preparatórios. Para suprir esta lacuna catequética, os casais devem ser atendidos pelo Pároco ou Vigário Paroquial, ou por um Diácono – nunca a secretária paroquial – para um colóquio de caráter catequético. Tal colóquio deve limitar-se às questões doutrinais e morais essenciais do matrimônio.

Lembrem-se ademais os sacerdotes de que a exigência do curso preparatório para o matrimônio é meramente pastoral e a sua falta nunca pode ser considerada um impedimento para a realização do matrimônio.

Para ler na íntegra, clique aqui.