Missa da Ceia do Senhor na Quinta-feira Santa: o Mistério da Eucaristia e o Mandamento do Amor

 

A Liturgia da Celebração do primeiro dia do Sagrado Tríduo Pascal é dedicada ao Mistério da Eucaristia, do Sacerdócio e o Mandamento do Amor. A refeição ritual dos judeus foi elevada por Nosso Senhor na Celebração mais Sagrada onde Ele se deu em alimento e fez perpetuar, através do Sacerdócio, sua presença real que todos os dias, em todos os lugares do mundo, se renova.

Imagem da Web

Todas as vezes que, em memória de Sua Paixão, a Igreja celebra o rito que Ele mesmo instituiu, é o mesmo Sacerdote que oferece, é a mesma Vítima que é oferecida, é o mesmo sacrifício que é realizado. A Sagrada Ceia realiza a Cruz; o Sacerdote é, também, a Vítima: Jesus Cristo!

 

Neste dia, também, a Igreja recorda o gesto de Jesus Cristo que se abaixa e lava os pés de seus discípulos. “Eu vos dou um novo mandamento: que vos ameis uns aos outros assim como eu vos amei”, diz o Senhor. A nós, fiéis, é-nos perguntado: qual a forma que Jesus amou a cada um de nós? A resposta está na própria celebração que vivenciamos durante a Semana Santa: amar dando a vida. Foi assim que Ele elevou o significado do amor a cada um de nós.

 

O canto que é entoado durante a execução deste gesto por parte do sacerdote é uma grande catequese que nos ajuda a compreender aquilo que ele quer significar: “Se eu, vosso Mestre e Senhor / Vossos pés hoje lavei / Lavai os pés uns dos outros / Eis a lição que vos dei / Eis como irão reconhecer-vos / Como discípulos meus / Se vos amais uns aos outros / Disse Jesus para os seus / Dou-vos novo mandamento / Deixo ao partir nova lei / Que vos ameis uns aos outros / Assim como Eu vos amei”

 

Neste dia, podemos, como fiéis, colocarmo-nos nas cenas que são narradas pelo Evangelho e refletirmos como agiríamos na “pele” de cada um dos personagens. Será que acompanharíamos o Senhor no horto das Oliveiras e pegaríamos no sono, deixando-nos sucumbir, por vezes, a falta de vigilância em nossas vidas? Será que, por orgulho próprio, nos negaríamos a deixar Jesus lavar nossos pés, não querendo nos submeter ao exemplo do Mestre? Será que seríamos capazes de nos reclinar sobre o Senhor para perguntar o que há de acontecer e confiaríamos em suas palavras? Muitas são as situações de nossa vida cotidiana que podem ser iluminadas pela Liturgia deste dia. Façamos, pois, desta Celebração, um farol para o nosso ano, em vistas de responder com amor e devoção ao Senhor em todas as situações de vida, para que, um dia, possamos tomar parte no Banquete Celeste, não por nosso mérito, mas com a consciência da infinita misericórdia do Senhor.