NATIVIDADE DE NOSSA SENHORA

Todo nascimento é um acontecimento social e familiar que envolve bons
sentimentos, sobretudo a gratidão pelo dom da vida que se renova, anunciando que o
futuro está garantido e a esperança continua viva nos corações. Desse modo, sempre é
importante celebrarmos o nascimento de nossos familiares e amigos com a certeza de
que todo nascimento está cercado de diferentes expectativas e da necessidade de
cuidados.
Na História da Salvação, as expectativas pela encarnação do Verbo de Deus
sempre foram alimentadas pelos profetas que, no decorrer dos séculos, atualizaram a
esperança na chegada da plenitude dos tempos, conduzindo o povo eleito aos mistérios
da geração do Filho de Deus, anunciando as extraordinárias circunstâncias que
precederam ao nascimento do nosso Salvador.
Por ser uma boa mãe, a Igreja nos ensina a ter uma singela devoção para com a
Virgem Maria e nos ajuda a comemorar, com júbilo, a Festa litúrgica da Natividade de
Nossa Senhora, olhando, ao mesmo tempo, para o nascimento de Jesus Cristo, pois o
evento do nascimento da Virgem Santa Maria trouxe ao mundo o feliz anúncio de uma
boa nova: a plenitude dos tempos está cada vez mais próxima, pois a Mãe do Messias já
está entre nós e, por isso, o plano da salvação divina está adentrando em sua preparação
imediata. Por conseguinte, “celebremos com alegria o nascimento da Virgem Maria: por
Ela nos veio o sol da justiça, o Cristo, nosso Deus”. (Antífona da Festa da Natividade de
Nossa Senhora).
A Tradição nos assegura que Maria nasceu em Jerusalém, nas proximidades da
piscina de Betesda, onde atualmente se venera uma cripta sob a Igreja de Santa Ana.
Com o dia feliz do nascimento de Nossa Senhora, o alvorecer da obra da redenção se
fez visível diante dos nossos olhos e o brilho do sol clareou a esperança que está
chegando, ou seja, a mulher que foi predestinada, desde toda a eternidade, para ser a
Mãe de Cristo, a Imaculada Conceição, já está nas sendas de nossa História.
Nesse dia em que celebramos o nascimento de Maria, nós admiramos a
humildade de Deus, rendemos louvores à Sua misericórdia e, em sintonia com a Igreja,
“contemplamos uma menina como todas as outras, e que, ao mesmo tempo, é única,
pois, Ela é a ‘bendita entre todas as mulheres’, a Imaculada filha de Sião, destinada a
tornar-se a Mãe do Messias”. (Papa João Paulo II, Audiência em 8 de setembro de
2004).
O nascimento de Maria está associado diretamente ao mistério da sua
maternidade. Maria é a Mãe de Cristo, a Mãe de toda humanidade e, por isso, todas as
mães podem contemplar, em Maria, o verdadeiro significado de sua missão e, de modo
especial, todos nós podemos nos questionar: Qual é a minha missão? Qual é o sentido
do meu nascimento e da minha vida?

Meditando nesses questionamentos, nós adquirimos a consciência de que a Festa
da Natividade de Nossa Senhora é um convite a recordar o dom gratuito que Deus
concede a cada um de nós, assim como fez com Maria. É também a revelação de que a
graça de Deus pode ser uma realidade constante em nossos corações quando nos
movemos pelos projetos do Altíssimo, alimentamos nossa fé com a oração e
depositamos nossa confiança nas mãos providentes do Senhor com a certeza de que Ele
é a Fonte da nossa existência e da nossa esperança.
Quando participamos, com carinho e ternura, das celebrações da Natividade de
Nossa Senhora, atualizamos, na memória de nosso coração, nosso amor para com Ela e
lhe dizemos obrigado pela sua correspondência aos planos de Deus, o seu sim e a sua
entrega incondicional. Expressando a nossa gratidão, percebemos que é uma imensa
alegria podermos participar dessa Festa, pois é um sinal de que Maria está junto de nós
em todos os momentos da vida.
Pela sua docilidade ao amor do Senhor, a Virgem Maria é a Mãe de Deus, a Mãe
da Igreja, a nossa Mãe. Contemplando o alcance de seu sim, nós somos chamados a
“renovar todas as coisas”. (Ap 21,5). Se adentrarmos a escola de Maria, Ela nos ajudará
a perceber todas as coisas que precisam ser renovadas em nossas vidas, em nossas
famílias e em nossas comunidades.
Cristo, em Seu amor e em Sua misericórdia, nos convida a participar das
celebrações do nascimento da Virgem Maria, mas, pela grandeza da celebração e pela
beleza da Festa, nós não podemos ir de mãos vazias e, por isso, antes de
cumprimentarmos Nossa Senhora pelo seu aniversário, devemos antes nos perguntar: O
que daremos de presente para Virgem Maria? O que será que Ela mais gostaria de
receber de nós? Qual será o melhor presente que nós podemos ofertar a Maria? Penso
que o melhor presente é sempre a presença de Cristo em nossos corações, ou seja, a
imagem do Cristo visível em nossas almas.
O nascimento de Nossa Senhora é o resplandecer da luz da aurora da salvação, o
início imediato do renascimento dos seres humanos, por obra e mérito de Cristo, na
plenitude dos tempos e, por isso, clamamos: “Exulte, ó Deus, a Vossa Igreja que
renovastes pelos sagrados mistérios, pois nos alegramos pelo nascimento de Maria, que
foi para o mundo inteiro esperança e aurora da salvação”.

Aloísio Parreiras

2020-09-08T14:25:58-03:0008/09/2020|