NÓS PRECISAMOS DO TESTEMUNHO DOS SANTOS

É motivo de renovada alegria para todos nós poder conhecer a vida de um santo e seu profundo testemunho de fé. Alegria ainda maior é poder descobrir que, em meio a nós, existem muitas pessoas que vivem em prol do outro, espalhando a alegria de viver, exercitando a caridade, demonstrando a simplicidade, revelando o inestimável valor do serviço e concretizando a força do testemunho cristão.

Em Sua misericórdia, Cristo nos diz: “Santificai-vos e sede santos, pois Eu sou o Senhor, vosso Deus”. (1 Pd 1,16). Como sabemos, em Sua providência, Deus provê para cada época de nossa história – sobretudo nos tempos e momentos de grandes heresias e de abandono da fé – o fecundo exemplo de santidade de homens e mulheres que, pela adesão incondicional ao Seu amor, incutem nas almas de seus contemporâneos um amor apaixonado pelo Cristo, um grande apreço pelos sacramentos, uma sede de conhecimentos doutrinal, uma audácia evangélica e, ao mesmo tempo, preparam e indicam novos horizontes no constante trabalho de difusão da Boa Nova. Nas mais diversas épocas históricas, bem como nesses nossos dias, diante das investidas do mal e das trevas, os santos mantêm a serenidade e a fortaleza e não se deixam levar pelo desânimo. Pelo constante empenho na construção do Reino de Deus e pela sua reta conduta, os santos são para cada um de nós modelos de mansidão e de humildade.

A santidade é um desafio que Deus nos propõe a cada momento. A santidade é um aprendizado que se concretiza quando, por meio de nossas boas obras e ações, somos mansos, serenos, pacíficos, bem-aventurados e felizes por promovermos e realizarmos a caridade e todo o bem. Somos santos quando difundimos ao nosso redor a única Verdade e irradiamos a luz do Cristo. Nós precisamos dos testemunhos dos santos, pois, graças aos exemplos deles, nós adquirimos a consciência de que a Verdade deve ser sempre buscada com honestidade e coragem. Mas, por outro lado, o nosso próximo também tem o direito de contemplar a presença de um homem santo em seu dia a dia e no desempenho das pequenas tarefas.

Temos que acreditar que, nas mais diversas ocasiões, Deus confia a mim e a você esse fiel testemunho de santidade. Eu, você e todos nós temos que saber viver com entusiasmo e autenticidade a maturidade da fé, concedendo, sem reservas, um sólido testemunho de pertença ao Cristo. Temos que saber aderir ao projeto de santidade que Deus nos oferece, pois “quando os homens se abrem à luz de Deus, passam por sua vez a dar luz. Os santos são como as estrelas suspensas sobre o horizonte da nossa história, das quais parte, uma e outra vez, um raio de luz que atravessa as nuvens e escuridões do nosso tempo e nos traz um pouquinho da claridade de Deus”. (Homilia do Cardeal Joseph Ratzinger, em 18 de julho de 1993). Temos que saber aderir ao projeto de santidade que Deus nos oferece, pois não pode faltar aos nossos irmãos a nossa ajuda imediata e generosa, não só no terreno material, mas, principalmente, no amplo terreno espiritual.

Santo é todo aquele que permite que o olhar de Cristo penetre no fundo de sua alma. Santo é todo ser humano que luta contra suas fraquezas e limitações e vive alicerçado na graça de Deus, realizando o que é aparentemente impossível. Por estar convencido, o santo convence! Por estar iluminado, o santo ilumina! Por ser alvo da misericórdia divina, o santo é misericordioso! Por ser uma centelha do amor de Deus, o santo ama e é amado! Por ser um propagador do Evangelho, o santo é um fiel instrumento que leva a toda parte o Reino de Deus, bradando: “Esteja o vosso coração integralmente dedicado ao Senhor nosso Deus, caminhando nos seus decretos e observando os seus mandamentos como hoje o estais fazendo”. (1 Rs 8,61). O santo é um homem bom que professa os nobres sentimentos do perdão, da gratidão e da acolhida. O santo sabe oferecer uma nova oportunidade e, assim como Cristo, ele sabe rejeitar, ao longo de sua vida, as pressões do ambiente social e das mais diversas pessoas.

Temos que afirmar com convicção: Faça de mim, Senhor, um santo do Terceiro Milênio. Com os mais puros e sólidos desejos de santidade, peçamos à Virgem Santa Maria a graça de podermos vivenciar a santidade que seu Filho nos propõe, dando sempre um passo a mais na prática da fé e da justiça, para que possamos, também, passar pelo mundo fazendo o bem. Sejamos santos de corpo, de alma e de coração para “que todos nos vejam como servos de Cristo e administradores dos mistérios de Deus”. (1 Cor 4,1).

 

Aloísio Parreiras
(Escritor e membro do Movimento de Emaús)
2019-11-06T13:48:49+00:0006/11/2019|