Nota pública sobre a proteção dos menores e pessoas em situação de vulnerabilidade

Diante da repercussão sobre o possível abuso de menores envolvendo freis da Ordem dos Frades Menores Conventuais, na comunidade da São Marcos e São Lucas / Ceilândia, Dom José Aparecido, Administrador Diocesano, emite nota publica sobre a proteção dos menores e pessoas em situação de vulnerabilidade.

 

Leia na íntegra:

 


NOTA PÚBLICA

As recentes notícias veiculadas por vários meios de comunicação sobre supostos
abusos de menores resultaram no comprometimento do bom nome da Paróquia São
Marcos e São Lucas sita na Ceilândia, com grave escândalo para os fiéis e pessoas de
bem. Em vista disso, o Ministro Provincial da Província de São Maximiliano Maria
Kolbe da Ordem dos Frades Menores Conventuais, que tem o cuidado pastoral da
referida Paróquia, houve por bem abrir uma investigação canônica conforme as
orientações da Santa Sé para estes casos.

Em consideração à jurisdição canônica, e independentemente da apuração dos fatos
relacionados aos investigados pela Província São Maximiliano Kolbe, a Arquidiocese
informa que está monitorando todas as atividades da Paróquia.
Todos os fiéis da Arquidiocese de Brasília se sentem feridos e indignados pelos
fatos noticiados, que deverão ser averiguados, salvaguardada a presunção de inocência e
o justo processo, evitando-se qualquer constrangimento ou intimidação de vítimas e
testemunhas dos supostos fatos.

A Igreja Católica em Brasília convida a todos os que tiverem conhecimento desses
fatos ou semelhantes a colaborarem com as pessoas encarregadas da investigação tanto
canônica como civil. Os Pastores da Igreja Católica e todos os homens e mulheres
consagrados, assim como os fiéis leigos têm o máximo interesse em erradicar o escândalo
dos abusos contra menores, que ferem a dignidade humana e ofendem gravemente a
santidade de Deus. Os papas Bento XVI e Francisco, referindo-se aos abusos cometidos
contra menores, disseram reiteradas vezes que na Igreja, no clero, não há lugar para quem
comete esse tipo de monstruosidade.

A Arquidiocese de Brasília se solidariza com as vítimas e os familiares e assegura
que se manterá informada do andamento das investigações até à decisão final a ser
tomada pela Sé Apostólica.

Brasília, Distrito Federal, 28 de julho de 2020.
+José Aparecido Gonçalves de Almeida
Administrador Diocesano


 

 

 

 

2020-07-29T10:42:06-03:0028/07/2020|