Palestra on-line sobre “Ansiedade e depressão em tempos de pandemia”

Abordar os desconfortos psicológicos mais comuns no isolamento social é o principal propósito da palestra online “Ansiedade e depressão em tempos de pandemia”. Promovida pela Pastoral da Saúde da Paróquia Imaculado Coração de Maria (Park Way), o evento ocorre na sexta-feira (26/6), às 18h, e será transmitida pelo YouTube . No comando, a psicóloga Cristina Mollica.

Melhorar a qualidade de vida e a comunicação entre as pessoas no isolamento social estão entre os objetivos da palestra, explica Cristina. “A intensidade ou o reconhecimento de comportamentos e sentimentos estranhos estão aflorados durante o enfrentamento da situação atual”, afirma.

Os transtornos podem aflorar com mais intensidade nestes tempos, ela conta. “Algumas pessoas, principalmente aquelas que já apresentaram alguns sintomas específicos antes da pandemia, podem precisar de ajuda profissional. Mas, a maioria, com o passar do tempo, vai se adaptar às novas rotinas, buscar alternativas ou simplesmente não precisar mais delas”, diz, lembrando que é importante se informar sobre a realidade por meio de fontes seguras e buscar auxílio profissional, sempre que necessário.

Cristina Mollica é psicóloga clínica há 21 anos, especializada na abordagem centrada na pessoa, Gestalt-terapia e sexualidade humana, além de ser gestora e mediadora de conflitos, apoiadora CNV (comunicação não violenta)

A ideia

Formação é um dos pilares da Pastoral da Saúde, que, desde o ano passado, vem realizando palestras com a temática saúde – até agora, já foram tratados temas como fé, cura, sofrimento e Síndrome de Burnout. “Em todas elas, quando perguntávamos aos participantes qual tema gostariam que tratássemos, a depressão – e suas variações – sempre foi o mais pedido”, explica o coordenador da Pastoral da Saúde da Paróquia, Clayton Nascimento Oliveira.

O isolamento social, com a pandemia causada pelo novo coronavírus, surpreendeu e, com a ampliação do período, que ainda não tem data para acabar, patologias psicológicas começaram a chamar a atenção, segundo Clayton. “Fomos percebendo que as pessoas estavam começando a sofrer cada vez mais com o isolamento e com o medo e insegurança em relação ao que está acontecendo e também em relação ao futuro. Neste momento, fomos apresentados à doutora Cristina Mollica, que apresentou a mesma preocupação”, afirma.

 

2020-06-29T08:55:40-03:0022/06/2020|