PAPA FRANCISCO: SETE ANOS DE PONTIFICADO.

No dia 19 de março de 2013, na Solenidade de São José, Padroeiro da Igreja Universal, o argentino Cardeal Jorge Mario Bergoglio iniciou o seu pontificado. Desde o início, o Cardeal Bergoglio nos surpreendeu ao escolher o nome Francisco para designar o seu serviço de Sumo Pontífice. Nestes sete anos de pontificado, o Papa Francisco tem edificado a Igreja Católica com suas ações, gestos, palavras, ensinamentos e testemunho.

Nestes sete primeiros anos de seu pontificado, o Papa Francisco presenteou-nos com duas encíclicas: Lumen fidei (29 de junho de 2013) e Laudato si (24 de maio de 2015). Ele nos presenteou também com cinco belíssimas exortações apostólicas: Evangelii Gaudium (24 de novembro de 2013), Amoris laetitia (19 de março de 2016), Gaudete Et Exsultate (19 de março de 2018), Christus Vivit (25 de março de 2019) e Querida Amazônia (2 de fevereiro de 2020). Nestes documentos, o Papa nos leva a refletir sobre o alcance da fé e a necessidade de cuidarmos da nossa casa comum. Insiste na necessidade de testemunharmos a alegria de sermos membros de uma Igreja em saída, que visita as periferias existenciais e geográficas e nos faz vislumbrar a beleza do amor na família, que deve ser sempre mais uma igreja doméstica que atua na defesa da vida em todas as suas instâncias. Ele também nos leva a refletir sobre a importância do protagonismo do jovem na vida da Igreja e nos leva a sonhar com uma Amazônia que seja preservada, respeitada e cuidada. Em todos esses documentos, o Papa revela ser um homem sensível à realidade pastoral, o pastor que tem cheiro de ovelhas. Deste modo, entre exortações, cartas, audiências, reformas, Sínodos e viagens, Francisco tem se mostrado incansável na missão.

Com afeto, humildade e ternura, o Papa Francisco conquistou nossos corações, falando de forma simples e afetuosa com os humildes. Por meio de suas palavras, nós sentimos a comunicação da misericórdia de Cristo que sussurra em nossos ouvidos: Confiai, pois o Meu olhar misericordioso já os alcançou, renovou e transformou.

Francisco é um Papa midiático que possui milhares de jovens seguidores no twitter. Ele é também o Papa que não se prende aos protocolos e, por isso, ele preferiu residir na Casa Santa Marta com outros cardeais. A Casa Santa Marta, de certa forma, tem sido o cenáculo do Papa, lugar de celebração da Santa Missa diária, de oração e de adoração. Outra quebra de protocolo do Papa Francisco foi a abertura do Ano Jubilar da Misericórdia na África, e não no Vaticano, como de costume.

Liderando a Igreja com sabedoria, fortaleza e determinação, o Papa Francisco tem sido um grande líder espiritual, revestido sempre por um espírito de comunhão eclesial, um pastor zeloso, que mesmo aos 83 anos é cativante nos seus ensinamentos. Por ser um homem muito atento às realidades do mundo atual, o Papa Francisco, com sua voz profética, tem valorizado sempre mais os idosos, as mulheres, os migrantes e os refugiados. Ele tem denunciado, com frequência, muitas formas de exclusão, a cultura da indiferença e do descarte.  Além disso, o Papa Francisco também é um homem aberto ao diálogo com todos, com não cristãos, com as diversas religiões, com a ciência. Por tudo isso, ele é um líder mundial, o Papa feliz, sorridente, cativante e bem-humorado na sua missão, doação e serviço.

Por ser o Pároco de todo o mundo, o Papa Francisco tem se engajado constantemente na luta contra a fome, o desperdício de alimentos, os males das guerras e na denúncia de todas as formas de corrupção. Por ser o Catequista de todos os povos e nações, em suas audiências, discursos e homilias, o Papa não se cansa de denunciar as diversas formas de violência sofridas pelos refugiados. Expressando o acolhimento da Igreja, o Papa tem nos convidado a derrubar os muros, para que possamos construir as pontes necessárias da caridade e da comunhão.

De um modo singular, o Cristo sussurra aos ouvidos do Papa Francisco: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”. (Mt 16, 18). Correspondendo à vocação recebida de Cristo, Francisco é um exemplo de pastor e nos mostra a generosidade e a entrega da vida por suas ovelhas.

Nestes dias em que enfrentamos o Covid 19, o novo Coronavírus, neste momento de verdadeira provação para a Igreja, para todos nós e o nosso mundo, o nosso amado Papa Francisco tem demonstrado ser um sólido alicerce para toda humanidade. No Ângelus do dia 8 de março deste ano, o Papa estava fechado na Biblioteca do Vaticano, para evitar as multidões e a maior proliferação do vírus pelo Vaticano, a Itália e o mundo. Naquela ocasião, ele nos disse: “Desejo manifestar, mais uma vez, a minha proximidade aos doentes de Coronavírus e aos profissionais de saúde que os assistem, assim como às autoridades civis e a todos aqueles que trabalham para ajudar os pacientes e para impedir o contágio. Junto-me aos meus irmãos bispos para encorajar os fiéis a viver este momento difícil com a força da fé, a certeza da esperança e o fervor da caridade. Que o tempo da Quaresma nos ajude a todos a dar um sentido evangélico também a este momento de provação e de dor”. No dia 15 de março, o Papa visitou a Igreja de San Marcelo e rezou pelo fim da pandemia de coronavírus, diante de um crucifixo que é considerado milagroso. Ele foi andando a pé para esta Igreja, suplicando a Deus a Sua misericórdia por todos nós.

Por meio da oração, da adoração e da vivência do sacrifício, o Papa Francisco tem nos indicado os meios que devemos recorrer para vencermos essa noite escura. Deste modo, o Papa tem nos ajudado a perceber que nas horas difíceis da vida o que deve prevalecer é a caridade, a fé, a esperança e a solidariedade. Devemos sentir na alma e no coração que, mesmo em meio a essa tempestade, o Papa Francisco está nos acompanhando com a sua oração, determinando horas e momentos para rezarmos juntos. Ele está também celebrando diariamente a Santa Missa e nas suas homilias atuais prevalecem a fortaleza, a coragem e a certeza de que, juntos de Deus e da Virgem Maria, nós vamos superar essa pandemia.

Por todas as graças que recebemos de Cristo, nesses sete anos do pontificado do Papa Francisco, hoje nós somos convocados a rezar pela saúde e intenções do Papa, que é o sucessor direto do apóstolo Pedro, a pessoa que exerce o múnus deixado pelo próprio Deus de presidir a Igreja com esperança, caridade e misericórdia.

Obrigado, Senhor Jesus, pelos ensinamentos do Santo Padre, o Papa Francisco. Nós, católicos, queremos continuar nos alegrando ao ouvir a voz de Francisco nos convidando a descobrir a alegria do Evangelho, pois na voz do Papa Francisco se faz presente a voz de Pedro, confirmando a nossa fé e a fé de nossos irmãos.

Aloísio Parreiras
2020-03-21T19:23:19-03:0021/03/2020|