PARÓQUIA SANTA MARIA DOS POBRES ADOTA EPVM POR ACOLHIDA NA PREPARAÇÃO DOS NOIVOS PARA A VIDA MATRIMONIAL E COMEMORA SUCESSO NA ADESÃO DOS NOIVOS.

A Pastoral Familiar da paróquia Santa Maria dos Pobres, localizada no Paranoá,
promoveu, no dia 7 de abril, o encerramento da Preparação para a Vida
Matrimonial de 35 casais de noivos. O modelo adotado foi o EPVM (Encontros
de Preparação para a Vida Matrimonial) por Acolhida, proposto pela Comissão
Nacional da Pastoral Familiar (CNPF), elaborado pelo casal André e Karina
Parreira no livro ‘MATRIMÔNIO – Encontros de Preparação’, que consiste
em 11 encontros semanais em que os noivos são acolhidos por agentes da
Pastoral Familiar. O evento iniciou com a celebração da missa celebrada pelo
pároco, Pe Miguel Porres Prieto. Em seguida, os noivos deram depoimentos
sobre essa experiência e foram unânimes em afirmar que participar do EPVM
por acolhida foi uma oportunidade única e maravilhosa que serviu muito para
enriquecer o entendimento sobre o Sacramento do Matrimônio. Para eles,
todos aqueles que vão casar deveriam passar por essa vivência para
entenderem que o Sacramento do Matrimônio é uma Aliança com Jesus e,
portanto, inviolável. Por fim, houve uma recepção na qual os noivos puderam,
junto com seus familiares, saborear deliciosos lanches. Além disso, os
nubentes também foram presenteados com lindas e singelas lembranças. Foi
uma noite muito especial e era visível a emoção estampada no rosto de todos
os presentes.

De fato, este modelo propicia uma preparação efetiva e contínua de noivos
para a vida matrimonial pois, além de abordar temas do cotidiano conjugal,
também possibilita uma reflexão mais profunda e participativa, bem como
desperta nos casais a consciência do verdadeiro sentido do matrimônio,
atendendo aquilo que o Santo Papa João Paulo II e o Papa Francisco
orientaram. O Papa João Paulo II, na exortação apostólica ‘Familiaris
Consortio’, disse: “A Igreja deve promover melhores e mais intensos
programas de preparação para o matrimônio, a fim de eliminar, o mais
possível, as dificuldades com que se debatem tantos casais, e sobretudo para
favorecer positivamente o aparecimento e o amadurecimento de matrimônios
com êxito” (FC,66). O Papa Francisco, na Amoris Laetitia, ressaltou: “A
preparação dos que já formalizaram o noivado, quando a comunidade
paroquial consegue acompanhá-los com bom período de antecipação, deve
dar-lhes também a possibilidade de individuar incompatibilidades e riscos.
Assim, é possível chegarem a dar-se conta de que não é razoável apostar
naquela relação, para não se expor a um previsível fracasso que terá
consequências muito dolorosas” (AL, 209).

O casal coordenador da Pastoral Familiar daquela paróquia, Glaidson e Carmen,
declararam que “foi uma graça de Deus preparar tantos casais e que a
convivência com eles nesse período propiciou apresentar na sua essência
aquilo que a Igreja ensina sobre o Sacramento do Matrimônio, além de
possibilitar um aprendizado mútuo”. Para eles, tudo isso só foi possível por
causa da dedicação dos agentes da Pastoral Familiar que não mediram esforços
para cumprir tão sublime missão de conduzir os noivos a constituir famílias
santas e igrejas domésticas.

 

A paróquia Santa Maria dos Pobres adota o EPVM por acolhida há dois anos e,
nesta edição, a quantidade de noivos inscritos superou todas as expectativas.
O Pe Miguel disse que, em princípio, eles ficaram um pouco apreensivos porque
a Pastoral Familiar conta com poucos agentes, o que foi prontamente superado
com o trabalho integrado com outras pastorais. Ademais, no início, os noivos
ficaram meio relutantes porque acharam que a duração da preparação seria
demorada. Mas, como foi possível constatar nos depoimentos deles, o
estranhamento inicial, ao longo das semanas, se transformou em gratidão
‘com gostinho de quero mais’. Para ele o resultado foi muito positivo porque
criou um ambiente de comunidade, de confiança e de fortalecimento de um
laço de amizade entre eles. Além do mais, padre Miguel afirma também que
uma das inúmeras vantagens deste modelo é que os casais se sentem
acolhidos e decidem incorporar-se em algum serviço pastoral, bem como
adotar uma vida paroquial mais intensa que não se limita somente na busca
dos sacramentos. Na opinião dele, é muito gratificante constatar que, a cada
EPVM por acolhida, a paróquia Santa Maria dos Pobres passa a ser
“comunidade das comunidades”, já que acolhe também casais de outras
paróquias. Com muita firmeza, ele diz que é “uma experiência que está dando
muito certo, graças ao empenho de todos os envolvidos”.