RECEBER A CRISTO

No desenvolvimento de Sua vida pública, o Cristo foi acolhido inúmeras vezes
em Nazaré, em Betânia, em Caná, na Galileia e em Jerusalém. Marta, Lázaro, Maria,
Zaqueu e Mateus são exemplos de algumas pessoas que tiveram o privilégio de receber
o Cristo em suas casas, oferecendo-Lhe uma singular refeição.
Receber a Cristo é sempre um imenso privilégio, uma graça especial que não
pode ser vista como algo comum, pois quando Deus nos visita, quando Ele se faz
presente em nosso meio, tudo é extremamente significativo e, por isso, devemos ser
cordiais, atenciosos, zelosos e entusiasmados com a presença de Deus em nossa
História.
Neste século XXI da era cristã, devemos perceber que nosso Senhor Jesus Cristo
não se retirou do mundo, Ele não nos deixou sozinhos. Mesmo que não possamos vê-Lo
ou tocá-Lo, assim com a mulher samaritana, João Evangelista, Paulo e Pedro, Ele está
no nosso meio, ajudando-nos a atravessar as tempestades e a santificar as dificuldades
cotidianas. No dia a dia, se não cuidamos, “vivemos como se o Senhor estivesse lá
longe, onde brilham as estrelas, e não consideramos que também está sempre ao nosso
lado. E está como um Pai amoroso, quer mais a cada um de nós do que todas as mães do
mundo podem querer a seus filhos, ajudando-nos, inspirando-nos, abençoando-nos e
perdoando”. (São Josemaría Escrivá, Caminho n.º 267).
Deus está presente em nossas vidas, famílias e comunidades por meio da leitura
das Sagradas Escrituras, pelos Sacramentos, em especial, a Eucaristia e a Reconciliação,
na beleza das flores e no testemunho da correspondência ao amor divino vivenciado
pelas pessoas santas. Em termos humanos, a gentileza é uma virtude que apreciamos
muito. Sendo assim, quando vamos receber alguém que é importante em nossas vidas,
buscamos cuidar de todos os detalhes, para que a pessoa seja bem acolhida e se sinta
bem em nossos lares. Do mesmo modo, ou com mais dedicação e apreço, nós devemos
cuidar, com esmero e zelo, de todas as coisas que se referem ao acolhimento ao Cristo, a
fim de que Ele seja sempre mais adorado e amado.
A Sagrada Comunhão é o principal meio de que dispomos para acolher o Cristo
em nossas almas e corações sem nos esquecermos de que, na realidade, é Ele quem nos
acolhe em Seu amor. Por conseguinte, a nossa participação na Eucaristia jamais pode
ser tratada como algo normal, corriqueiro ou costumeiro, pois a Divina Comunhão é o
Sacramento dos Sacramentos, a Graça das graças, o Manancial de todo o Bem. Desse
modo, se queremos receber bem a Cristo em nossas almas, devemos preparar esse
encontro de amor mediante a luta diária contra os erros e o mal, a confissão de nossos
pecados e a perseverança nas virtudes e na vida sobrenatural da graça.
Quando a nossa participação na Eucaristia é um encontro transformador com o
Senhor, adquirimos o bom hábito de comungarmos não apenas no domingo, mas, sim,
em vários dias da semana. O cansaço muitas vezes pode gerar em nós uma certa
preguiça de irmos à Igreja para participarmos da Santa Missa. Não obstante, mesmo que
estejamos cansados, a razão e a sabedoria nos advertem de que o Senhor está à nossa
espera e que, no final da celebração, vamos sair da Igreja renovados. Agindo assim,

diante do sacrário, podemos até escutar o Cristo nos dizendo: “Descansai e vede que Eu
sou o Senhor”. (Sl 46,11).
A celebração da Santa Missa, em sua bela estrutura, é um convite a nos
prepararmos para receber o Senhor. Nessa mais perfeita oração, nós vivenciamos
inúmeras atitudes que precedem o nosso encontro com o Cristo, pois desde que saímos
de nossas casas, o nosso coração deve estar em diálogo com o Senhor, mantendo aceso
o ardor da fé, a fim de que possamos participar da Liturgia da Palavra e da Liturgia
Eucarística com as devidas disposições.
No itinerário da vivência da fé, no aprendizado da comensalidade e no
acolhimento do Cristo, nós somos desafiados a contemplar os exemplos de São João
Batista e adentrar a escola da Virgem Maria, para que possamos retirar da nossa alma as
sombras do egoísmo e do desamor. Com São João Batista, nós podemos aprender que o
encontro com o Senhor é precedido de penitência, de conversão e de uma entrega
absoluta aos Seus projetos salvíficos. Com a Virgem Santa Maria, nós podemos
aprender a fecundidade do silêncio, a generosidade do sim e a fidelidade ao Senhor nas
pequenas coisas.
Quando somos cativados pelo amor de Cristo, o desejo de recebê-Lo torna-se
uma necessidade de nossa alma e, por isso, devemos sempre nos questionar: se o Cristo
quer ser acolhido em minha vida, porque ainda não estou totalmente disponível para
esses encontros transformadores? Onde estava eu, Senhor, quando não pensava em
Vós? Nesse diálogo com o Cristo, podemos dizer ao Senhor: Ó meu Jesus, perdoai-me
pelas vezes em que não aceitei o Vosso convite para estar unicamente convosco.
Receber os amigos, os familiares e as pessoas da comunidade é um exercício de
comensalidade que nos faz muito bem, pois é sempre bom nos sentarmos à mesa,
dividirmos as refeições, dialogarmos sobre as coisas do dia a dia e extravasarmos a
nossa alegria com boas risadas. Muito maior é o bem que recebemos quando acolhemos
o Cristo e somos por Ele acolhidos na pessoa do próximo, na leitura e meditação do
Evangelho, no serviço caritativo da fé e na participação consciente na Eucaristia. Tudo
isso são sinais grandiosos da contemplação das luzes do Tabor que transbordam do
rosto misericordioso do Senhor.
Permanecer no amor, receber o Senhor é sempre desafiador, pois, quando somos
tocados pelo alcance da graça divina, adquirimos a consciência de que “o amor de Jesus
é generoso, inspira grandes ações e nos conduz sempre à mais alta perfeição”. (São
Tomás de Kempis). Senhor Jesus, obrigado pelos nossos encontros eucarísticos, e
ensinai-nos a perceber a grandeza oculta que se faz presente em cada comensalidade,
pois bem-aventurada é a alma que ouve a Vossa voz, aceita os Vossos convites
acolhedores e recebe de Vossos lábios palavras consoladoras e de Vossas mãos o
Alimento da vida eterna! “Senhor, dai-nos sempre deste Pão!”. (Jo 6, 34).

Aloísio Parreiras
(Escritor e membro do Movimento de Emaús)

2020-09-17T20:37:47-03:0017/09/2020|