SANTÍSSIMA TRINDADE

Palavra do Pastor

Dom Paulo Cezar Costa

Arcebispo de Brasília

 

A Santíssima Trindade

Estamos celebrando o Domingo da Santíssima Trindade. Toda oração e ação da Igreja se dirigem ao mistério da Trindade, ao mistério do nosso Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo. Sabemos que Deus é Trindade, pois Jesus nos revelou. Ele tinha uma relação singular com o Pai, a quem chamava Abá, Pai, (Paizinho) e era conduzido pelo Espírito. Jesus, quando se submeteu ao rito batismal de João Batista, o Espírito desceu sobre Ele e, depois, o conduziu durante todo o seu ministério. Ressuscitado, Jesus mandará sobre os apóstolos e sobre a Igreja o Espírito Santo. Jesus nos revelou que Deus é Trindade e a Igreja nascente experimentou a ação de Deus como Trindade. No Evangelho desta solenidade (Jo 16, 12-15) encontramos a ação da Trindade. Jesus, no seu discurso de despedida, afirma que o Espírito da Verdade conduzirá os apóstolos a verdade plena. Jesus mostra que é o Espírito que fará com que os discípulos penetrem no sentido mais profundo das suas Palavras, dos seus ensinamentos, e termina o trecho do Evangelho afirmando que “Tudo que o Pai possui é meu”, isto é, a sua comunhão profunda com o Pai.

A definição mais profunda que a Sagrada Escritura nos dá de Deus se encontra em 1 Jo, 4, 8. 16: “Deus é Amor”. O povo de Israel, durante todo o Antigo Testamento, tinha experimentado o amor de Deus no decorrer da sua história.  Deus o escolheu por amor, não cessou de oferecer-lhe a salvação perdoando seus pecados e infidelidades. São João, com esta definição nos mostra que o próprio ser de Deus é amor. “Ao enviar, na plenitude dos tempos, seu Filho único e o Espírito de Amor, Deus revela seu segredo mais íntimo: Ele mesmo é eternamente intercambio de Amor – Pai, Filho e Espírito Santo – e nos destinou a participar deste intercâmbio”(Catecismo da Igreja Católica 221). Bento XVI, nos ajuda a penetrar o mistério do amor trinitário: “Quando pensamos na Trindade, vem à mente, sobretudo o aspecto do mistério: são Três e são Um, um só Deus em três Pessoas. Na realidade, Deus só pode ser um mistério para nós na sua grandeza, e, todavia Ele revelou-se: podemos conhecê-lo no seu Filho, e assim conhecer também o Pai e o Espírito Santo. No entanto, a liturgia hodierna chama a nossa atenção não tanto para o mistério, mas para a realidade de amor que está contida neste primeiro e supremo mistério da nossa fé. O Pai e o Filho e o Espírito Santo são um só, porque são amor, e o amor é a força vivificadora absoluta, a unidade criada pelo amor é mais unidade do que uma unidade puramente física. O Pai doa tudo ao Filho; o Filho recebe tudo do Pai, com reconhecimento; e o Espírito Santo é como que o fruto deste amor recíproco do Pai e do Filho.” (Bento XVI, Homilia de 19 de junho de 2011).

Que celebrar a Santíssima Trindade nos ajude a sentirmos que o Pai de Jesus é também nosso Pai; a nos relacionarmos com Jesus como nosso irmão, nosso Salvador e Redentor e a nos deixarmos conduzir pelo Espírito Santo, que habita em nossos corações e nos santifica.