Secretário Geral da CNBB comemora seus 38 anos de sacerdócio celebrando a Festa de N. Sra. Aparecida na Catedral de Brasília

Com grande alegria e devoção, a Arquidiocese de Brasília celebra a solenidade de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, padroeira do Brasil, de Brasília e da Catedral.

O bispo auxiliar do Rio de Janeiro (RJ) e secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Joel Portella Amado, presidiu a missa solene de Nossa Senhora Aparecida, na Catedral de Brasília, no mesmo dia em que completa 38 anos de sua ordenação sacerdotal.

Com número reduzidos de fies,  ao som da banda Maranatha, a missa iniciou-se as 12h00. Estiveram concelebrando, Padre João Firmino, pároco da Catedral e diácono Alfredo.  Em sua saudação Inicial, Dom Joel convidou a to

“Viva a Nossa Senhora Aparecida! Mãe de Deus e nossa!”, assim disse Dom Joel em sua saudação inicial e sua palavra foi de “gratidão pelo convite de estar aqui celebrando com vocês”.

A participação virtual dos devotos que não puderam estar presente  foi pelas ondas da Rádio Nova Aliança e das Mídias Sociais da Arquidiocese de Brasília.

Em sua homilia, o secretário-geral da CNBB, diz que “desde o relato da Rainha Ester, a igreja já nos ensina qual é a atitude de cada um de nós em momentos, não apenas na pandemia causada por esse vírus (COVID-19), mas em muitos outros momentos valido para a vida toda, e Ester podia ter pedido ao rei que lhe prometeu metade do reino, salvar apenas a própria pele, ou pegar um pouco da riqueza que lhe era oferecida, mas não, Ester se lembrou das outras pessoas que estavam precisando, e ela diz ‘Salva meu povo, é o que te peço.’ Nós atravessamos os momentos difíceis quando a nossa mente e o nosso coração são tomados por aquilo que hoje nós chamamos de solidariedade. Pensar-nos outros, pensar em quem esta sofrendo e, muitas vezes, sofrendo mais que nós.”

Ainda em sua homilia, Dom Joel recorda o milagre das bodas de Canna ao qual “Maria não fez o milagre, quem fez foi Jesus, mas a solidariedade de Maria nos ensina a sermos ponte entre as dores e os sofrimentos  {‘Eles não têm mais vinho’}, e trazer a palavra de jesus para quem esta sofrendo {‘fazei tudo o que Ele vós disser’}.”

Uma fé renovada todos os anos, assim é para Eulanda Maria de Souza, Santa Maria. Muito devota da virgem santíssima , mesmo em meio a pandemia, dona Eulanda conta que “tem um compromisso com a mãe de estar todos os anos nesta data louvando e agradecendo as graças alcançadas”.

Dom Joel envia uma mensagem especial para a Arquidiocese de Brasília.

 

 

Link para ver a missa completa, clique aqui.

Fotos: Pascom Brasília

2020-10-14T10:33:07-03:0012/10/2020|