UM CORAÇÃO CHEIO DE BONDADE E DE AMOR

No Sagrado Coração de Jesus nós encontramos um kairós de misericórdia, um oceano de graças e uma imensa reserva de ternura e de bondade. O Sagrado Coração de Jesus expressa a entrega, a doação e o total oferecimento que o nosso Redentor realizou em prol de nossa salvação. Deste modo, podemos afirmar que o Sagrado Coração de Jesus é um lugar especial de encontro com Deus, uma Fonte permanente de santidade.

Quando temos o coração bem formado, nós aprendemos que “o essencial é invisível aos olhos, pois só enxergamos bem com o coração”. (Exupery). O coração humano é um órgão importante para o funcionamento do nosso corpo, pois ele é o responsável por fazer o sangue circular pelas artérias. No plano espiritual, o coração humano necessita aquecer-se de uma fagulha da fornalha ardente de caridade que se faz presente no Sagrado Coração de Jesus, onde estão concentradas todas as perfeições, qualidades e virtudes: um amor infinito a Deus Pai, unido à mais profunda reverência e humildade.

No Sagrado Coração de Jesus, nós encontramos o perdão, o acolhimento, a misericórdia e a justiça, pois esse Sagrado Coração é a casa de Deus e a porta do céu, a fonte de toda consolação, vida e ressurreição. Por meio do Coração de Jesus, o amor de Deus foi derramado sobre todos nós, e é neste Coração que nós somos reconciliados com nosso Senhor Jesus Cristo e, por isso, Ele nos convida a viver uma espiritualidade do coração à imitação da Sua obediência, da Sua fortaleza, da Sua fidelidade e da Sua misericórdia. Mediante os sinais do amor que são visíveis em Seu Sagrado Coração, o Cristo nos diz: “Imprimirei minha lei em suas entranhas, e hei de inscrevê-las em seu coração; serei seu Deus e eles serão meu povo!”. (Jr 31, 33).

A imagem do Sagrado Coração de Jesus com o Coração fora do peito, ardendo em chamas e cercado de espinhos, não é uma criação artística humana. Essa imagem é parte integrante da revelação feita pelo Cristo a Santa Margarida Alacoque, quando ela estava em adoração diante do Santíssimo Sacramento. Nessa revelação, Cristo apareceu da forma como o vemos nas representações do Sagrado Coração e pediu que Santa Margarida começasse a divulgar essa piedosa e significativa devoção.

Quando contemplamos, com os olhos da fé, o Sagrado Coração de Jesus, nós percebemos que “através das feridas do corpo, manifesta-se a recôndita caridade do coração de Cristo, torna-se evidente o grande mistério do amor, mostram-se as entranhas de misericórdia de nosso Deus”. (São Bernardo, Cântico dos Cânticos). Percebemos, então, que estamos diante de um mistério inescrutável, pois, mediante o Coração de Jesus, nós vislumbramos o eterno plano divino da nossa salvação, vislumbramos um belo projeto de amor e a concretização da obra misericordiosa de Cristo.

A meditação do amor de Deus, que se revelou no Coração de Cristo, exige de nós uma resposta amorosa e coerente. Não somos chamados apenas a contemplar o mistério do amor e da misericórdia de Cristo, mas a participar dele. Fomos alcançados, redimidos e renovados pela misericórdia de Deus, e, por isso, nós temos o grato dever de sermos misericordiosos com o nosso próximo, exercendo sempre que necessário o perdão, o acolhimento e a solidariedade. Agindo assim, perceberemos que “a misericórdia é o coração de Deus. Por isso deve ser também o coração de todos aqueles que se reconhecem membros da única grande família dos seus filhos; um coração que bate forte onde quer que esteja em jogo a dignidade humana, reflexo do rosto de Deus nas suas criaturas.” (Papa Francisco, Mensagem para a Jornada Mundial da Paz de 2016).

Quando repousamos nosso olhar no Sagrado Coração de Jesus, nós aprendemos a escolher tudo aquilo que agrada a Deus. De um modo especial, a Sua graça, a vida divina em nós. Em estado de graça, percebemos que nada é mais importante que acolhermos a misericórdia de Deus em nossas vidas. Para que isso ocorra, temos que perceber que “só o coração de Cristo, que conhece as profundezas do amor do Pai, pode nos revelar o abismo de Sua misericórdia de maneira tão simples e tão bela”. (Catecismo, nº 1439).

Bela é a nossa vida quando é pautada pela misericórdia de Deus e pelo exercício das obras corporais e espirituais de misericórdia, pois, quando praticamos o Bem e expressamos a Verdade, o nosso coração pulsa no ritmo da fé e da justiça, testemunhando a certeza de que o Sagrado Coração de Jesus é o sinal da nossa confiança em Cristo, que não veio para julgar, mas para salvar. Essa consciência nos leva a rezar: “Coração de Jesus, paciente e de muita misericórdia, tende piedade de nós!”

No itinerário da fé, nós devemos sempre contemplar o Sagrado Coração de Jesus, que é fonte de vida e de misericórdia, porque por seu intermédio se realizou a vitória da vida sobre a morte. Nesta contemplação, Cristo nos fará perceber que em Seu Sagrado Coração tem início a vivência da santidade que Ele nos solicita. Aprendamos deste Coração o infinito amor de Deus que é expresso pelos mistérios da misericórdia.

A imagem do Sagrado Coração de Jesus deve permanecer viva, clara e expressiva em nossos corações, convidando-nos a realizar, hoje e sempre, atos reparadores ao Divino Coração pelos pecados cometidos por nós e pelo nosso próximo. Devemos reparar principalmente pela recusa da bondade, do amor e da misericórdia de Deus por parte de tantas pessoas que se deixam levar pelo relativismo, pelo secularismo e pelo niilismo. Para nós que amamos a Cristo é difícil entender a razão de tantas ofensas. Como explicar as manifestações de desamor diante de tanto amor? Como recusar o amor diante de tantos sinais evidentes de vida?

No dia a dia e, sobretudo, nas dificuldades e provações, Jesus Cristo nos convida a repousar a nossa cabeça em Seu Sagrado Coração e a escutar o batimento do Coração humano e divino de Deus que é sempre um apaixonado pelo ser humano. Sinais do amor de Cristo por nós são as chagas de Suas mãos que evidenciam os sofrimentos que o nosso Redentor assumiu quando foi pregado na Cruz. Por meio dessas chagas, o Cristo nos convida: “Contemple as marcas do Meu amor por você!”.

Quando somos verdadeiramente apaixonados pelo Cristo, individual ou comunitariamente, nós sentimos a necessidade de prestar um tríplice preito ao Seu Sagrado Coração: um preito de veneração, em compensação das humilhações que Ele se sujeitou por nós; um preito de gratidão, pelo dom dos sacramentos, em especial, pelo dom da Eucaristia e um preito de reparação, para desagravá-Lo das ofensas e injúrias que Ele continuamente recebe dos homens e até mesmo de nós, os cristãos.

No silêncio do nosso coração, digamos ao Divino Coração de Jesus: Senhor, nós cremos em Vós. Nós acreditamos em Seu amor, bondade e compaixão e, por isso, professamos que somos salvos graças à Sua misericórdia. Senhor, não queremos mais vos deixar esperando, pois sabemos que o Vosso Coração está suspirando para ser amado, ansiando pela nossa correspondência amorosa. Perdoai-nos, Senhor, pela nossa ingratidão, pelos nossos pecados e ofensas. Senhor, onde acharemos quem tenha o coração mais bondoso do que Vós?

Não há e jamais existirá em nosso mundo e em toda História da Salvação um outro coração que seja formado pelo Espírito Santo no seio da Virgem Maria, que seja unido substancialmente ao Verbo de Deus, de majestade infinita por ser o templo santo de Deus. Esse coração tem um dono, Ele pertence a Jesus Cristo que, em Seu amor compassivo, entrega-nos o Seu Sagrado Coração, a fim de que possamos encontrar n’Ele os sinais e as manifestações de amor que nos salvam, edificam e enobrecem.

Amor com amor se paga! Seremos eternos devedores do fecundo amor de Deus, mas, mesmo em nossas limitações, saibamos dizer ao Senhor: Senhor, Vós sabeis tudo. Vós sabeis que nós Vos amamos! Sagrado Coração de Jesus, nós confiamos em Vós! Sagrado Coração de Jesus, tende compaixão de nós!

Aloísio Parreiras