XIII Domingo do Tempo Comum (19/6)

Palavra do Pastor

Dom Paulo Cezar Costa

Arcebispo de Brasília

 

 

 

 

O Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça

Neste domingo, temos como Evangelho um texto no qual Jesus toma resolutamente o caminho de Jerusalém (Lc 9, 41-51). Jerusalém é a cidade onde Jesus deverá viver o mistério da sua morte e ressurreição e é a partir de Jerusalém que o Evangelho deve ser difundido para o mundo. Os mensageiros que vão à frente de Jesus e entram numa cidade de samaritanos para preparar hospedagem para Jesus. Mas os samaritanos não os receberam, pois Jesus dava a impressão de ir para Jerusalém. Os discípulos têm, em resposta, uma reação humana, ou seja, querem mandar fogo do céu para destruí-los; mas Jesus, não. Eis aqui o perigo das reações meramente humanas, que não partem do horizonte de Deus, mas simplesmente da nossa forma de pensar. Agora, no caminho, há o encontro de três personagens com Jesus. E o Papa Francisco assim os comenta:

“O primeiro personagem promete-lhe: «Seguir-te-ei para onde quer que vás» (v. 57). Generoso! Mas Jesus responde que o Filho do Homem, contrariamente às raposas que têm as suas tocas e aos passarinhos que têm os seus ninhos, «não tem onde reclinar a cabeça» (v. 58). A pobreza absoluta de Jesus! Com efeito, Jesus deixou a casa paterna e renunciou a qualquer segurança para anunciar o Reino de Deus às ovelhas perdidas do seu povo. Assim, Jesus nos indicou, a nós, seus discípulos, que a nossa missão no mundo não pode ser estática, mas é itinerante. O cristão é um itinerante. A Igreja está, por sua natureza, em movimento, não permanece sedentária nem tranquila no próprio recinto. Está aberta aos horizontes mais vastos, enviada — a Igreja é enviada! — para levar o Evangelho pelas estradas e alcançar as periferias humanas e existenciais. É assim o primeiro personagem. O segundo, que Jesus encontra, recebe diretamente d’Ele o chamado, mas responde: «Senhor, deixa-me ir primeiro enterrar o meu pai» (v. 59). Trata-se de um pedido legítimo, fundado no mandamento de honrar o pai e a mãe (cf. Ex 20, 12). Todavia Jesus responde: «Deixa que os mortos sepultem os seus mortos» (v. 60). Com estas palavras, deliberadamente provocadoras, Ele tenciona afirmar o primado do seguimento e do anúncio do Reino de Deus também sobre as realidades mais importantes como a família. A urgência de comunicar o Evangelho, que rompe a cadeia da morte e inaugura a vida eterna, não admite atrasos, mas requer prontidão e disponibilidade. Portanto, a Igreja é itinerante, e aqui a Igreja é decidida, age imediatamente, no momento, sem esperar. Também o terceiro personagem quer seguir Jesus, mas com uma condição: fá-lo-á depois de se ter despedido dos parentes. Eis o que o Mestre lhe diz: «Aquele que põe a mão no arado e olha para trás não é apto para o Reino de Deus» (v. 62). O seguimento de Jesus exclui arrependimentos e que se olhe para trás, mas exige a virtude da decisão” (Papa Francisco, Angelus de 30 de junho de 2019).

Este Evangelho nos relembra que seguir Jesus implica ir com Ele até as últimas consequências, não segundo os nossos critérios, mas segundo os de Jesus, não fazendo justiça com as próprias mãos. Os três personagens que quiseram seguir Jesus pelo caminho nos mostram que, sem radicalidade, não há verdadeiro discipulado: “quem põe a mão no arado e olha pata trás não está apto para o Reino de Deus”.