XXX DOM TEMPO COMUM

Dom Paulo Cezar

Arcebispo de Brasília

 

 

Mestre, que eu possa ver novamente

            A Palavra de Deus, no Evangelho de hoje (Mc 10, 46 – 52), coloca diante de nós um cego que, curado, segue Jesus, torna-se discípulo de Jesus. Este é o último milagre de Jesus antes de Sua entrada em Jerusalém. Este milagre encerra uma parte fundamental no Evangelho de são Marcos (Mc 8, 27 – 10, 52). Nesta parte do Evangelho, tem- se a profissão de fé de Pedro em Jesus, afirmando que Jesus é o Messias. O título de Messias, naquele tempo, trazia em si uma grande conotação política. Esperava-se por alguém que viesse libertar o povo do domínio dos romanos. Jesus mostra que Ele é o Messias Servo, que deve ir a Jerusalém, ser entregue nas mãos dos homens, ser morto e ressuscitar. Eis os três anúncios da Paixão. Mas, agora, no final desta seção, encontra- se o cego Bartimeu que, curado, segue Jesus.

Detenhamo-nos neste texto: Jesus está saindo de Jericó a caminho de Jerusalém. Jericó estava uns 30 quilômetros de Jerusalém. Pela sua abundância de água, era um oásis no deserto. A cidade gozava de belas construções, feitas por Herodes, o grande, e seu filho Arquelau.  O Evangelista situa bem a cena: “Jesus estava saindo de Jericó com seus discípulos e grande multidão”. Bartimeu estava sentado à beira do caminho, mendigando e está cego. Qual a situação de Bartimeu? É cego e é alguém que está à beira do caminho, alguém que já desistiu de caminhar. Mas quando ouve que é Jesus, o Nazareno, que passa, começou a gritar. Ele está à beira do caminho, mas não perdeu a capacidade de reagir, de gritar. Então ele grita: “Filho de Davi, Jesus, tem compaixão de mim”. Aquele cego grita para que Jesus olhe por ele, tenha compaixão dele. As pessoas o repreendem, mandam que ele se cale, mas ele grita mais ainda: “Filho de Davi, tem compaixão de mim”. Qual a atitude de Jesus? Jesus manda chamá-lo. Jesus não é indiferente ao grito das pessoas, aos seus sofrimentos. Jesus lhe pergunta: o que queres que eu te faça? Ele responde: “Rabbouni, que eu possa ver novamente”. Ele já tinha visto, mas agora está cego. E Jesus o cura: “Vai, tua fé te salvou”. O Evangelho diz que “No mesmo instante ele recuperou a vista e seguia Jesus pelo caminho”.  Alguém que não via e agora vê e, vendo, segue Jesus, tornando-se discípulo de Jesus.

Este milagre tem um significado paradigmático e, servindo para a comunidade de São Marcos, é exemplo para nós hoje. No caminho a Jerusalém, Bartimeu recebe, na fé em Jesus, a luz dos olhos. Ele crê e se faz discípulo de Jesus, enquanto aqueles de Jerusalém, cidade da luz, apesar de perscrutarem as Escrituras e conhecerem a fundo as letras da Lei de Deus, não conseguem aceitar a luz de Jesus. (E. Bouzon – K. J. Romer, A Palavra de Deus, 356).  A narrativa de um milagre é uma vocação à fé e ao seguimento a Jesus Cristo.  Que este texto nos ajude a vermos as cegueiras e a nos deixarmos curar por Jesus, que é a luz do mundo. E, uma vez curados, sigamos Jesus, com beleza, pelas estradas da vida.