XXXIII Domingo do Tempo Comum 15/11/2020

A PALAVRA DO PASTOR

+Dom José Aparecido Gonçalves de Almeida

 

 

VEM PARTICIPAR DA MINHA ALEGRIA

 

A Palavra de Deus deste domingo – o penúltimo do ano litúrgico – nos alerta sobre a caducidade da existência terrena e nos convida a vivê-la como uma peregrinação, tendo os olhos fixos na meta, no Deus que nos criou para Si (S. Agostinho) e é o nosso destino último, o sentido do nosso viver. Deus nos oferece talentos para que, ao longo da nossa vida passageira, produzamos frutos de vida eterna mediante a caridade operosa que é a verdadeira adoração em Espirito e verdade.

A primeira leitura (Pr 31,10-13.19-20.30-31), vencendo os limites da cultura patriarcal da época, elogiam a mulher virtuosa, forte e empreendedora, dedicada ao bem da família, que “abre suas mãos ao necessitado e estende suas mãos ao pobre” (Pr 31,20). Passam o encanto e beleza fugazes, mas não passa o encanto e a beleza da “mulher que teme o Senhor” (v.30). “Ela vale muito mais do que as jóias” (v.10).

O Salmo 127 louva o pai de família que teme o Senhor e vive do trabalho de suas mãos. Ele, como os servos que receberam do seu senhor os talentos e os fizeram furtificar, será abençoado cada dia de sua vida, enfim pela eternidade.

Paulo, na carta aos cristãos de Tessalónica, continua a falar de esperança, exortando à vigilância e lembrando que os resgatados nas águas do batismo são filhos da luz: “Todos vós sois filhos da luz e filhos do dia. Não somos da noite nem das trevas”. Ser filhos da luz, comporta o compromisso moral e a exigência ascética da vigilância e da sobriedade: “não durmamos, como os outros, mas sejamos sóbrios e vigilantes”.

No Evangelho Jesus narra a parábola dos talentos e mostra que a exigência de fazer frutificar os talentos que nos são confiados como a administradores, de algum modo, comportam consequências. A frágil existência terrena, enriquecida de dons e talentos dados por Deus, comporta a responsabilidade por nossas escolhas e pelo nosso modo de agir. Tudo adquire um peso de eternidade. Não se pode fugir à necessidade de escolher entre o caminho da vida e o caminho da morte, da bênção e da maldição.

Os que aqui na terra fazem frutificar os talentos em forma de obras de misericórdia (cf. Mt 25,31-46), serão louvados pelo Senhor no juizo: “Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mas” e logo receberão o convite para as delícias eternas: “Vem participar da minha alegria” (Mt 25,21).

O outro lado da responsabilidade pelas nossas escolhas e pelo nosso modo de atuar aparece dramaticamente nas palavras finais do Evangelho. A possibilidade de ficar fora da bem-aventurança eterna aparece não só como consequência de agir mal, como também de omitir o bem que se podia ter feito. É o próprio Jesus a pronunciar palavras fortes: “A este servo inútil, lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes” (Mt 25,30).

Neste domingo dos Pobres, nos ilumine e encha de esperçança, a bênção encontrada no ritual do matrimônio: “Sede testemunhas do amor de Deus no mundo, socorrendo os pobres e todos os que sofrem, para que eles vos recebam um dia, agradecidos, na eterna morada de Deus”.

2020-11-13T20:04:21-03:0013/11/2020|